24/06/2014

POR QUE FOGUEIRA DE SÃO JOÃO?





Tereza Halliday
Fogueira já foi método de aplicação de pena de morte, por crimes de heresia e bruxaria. Primeiro, pela Igreja Católica, depois pelas igrejas protestantes. Fogueira é também símbolo antiquíssimo de culto ao deus Sol, na passagem do solstício de verão a 22/23 de junho. Data da qual a Igreja Católica habilmente se apropriou para cristianizar essa festa pagã. Daí a fogueira de São João, o bíblico João Batista, grande figura da história do cristianismo, para quem alguns evangélicos torcem o nariz só porque ele recebeu título honorífico de “Santo”, conferido por igreja rival. 

Na minha infância, corria a crença de que o diabo viria dançar na frente da casa que não acendesse fogueira em honra de São João. Assim, pessoas de poucas posses juntavam gravetos para uma fogueirinha mínima, que as redimisse da maldição.   Amigas tornavam-se “comadres de fogueira” arrodeando-a três vezes e repetindo palavras mágicas. Acender bem a fogueira era uma arte. E visitá-la no dia seguinte – em estado de cinzas ainda quentes -  era um ato de contrição. Entre os países onde o São João é celebradíssimo estão Portugal, Canadá, Estônia e Brasil, onde, no Nordeste, o 24 de junho tem status de feriado.

Uma lenda  associa a fogueira a João Batista, asceta que jamais tomaria uma cachacinha na noite em sua honra: sua mãe Isabel, grávida, teria prometido à prima Maria, mãe de Jesus, que acenderia uma fogueira no topo da colina para avisar quando o bebê nascesse. A melhor forma de comunicação instantânea num mundo sem What´s App. E nasceu João, anunciador de Jesus, e que o batizou no rio Jordão. (Marcos 1, 1-9). Muito mais tarde, Luiz Gonzaga haveria de cantar: “A fogueira está queimando/ em homenagem a São João / e o forró já começou / vamos, gente, arrastar pé neste salão”. Muito melhor do que fogueira como pena de morte.


1 comentário:

  1. Tereza, adorei o seu texto.
    Fez-me recordar com nostalgia outros tempos.
    Fogueira de São João, "alimenta-la" toda a noite até ao raiar do sol, os mais corajosos fazem-se à competição de quem a salta com a chama mais alta, vai-se jogando uma "peladinha" em pé descanso, enquanto que alguns, sentados à volta dela se assa um chouriço, as brasas já no nascer do dia, fazem um bom aconchego para a assadeira em barro que lentamente, enquanto os folias descansam, vai assando um cabrito, que à hora do almoço está pronto para repasto e continuação da festa.

    Isabel Coutinho

    ResponderEliminar