21/03/2017

Ainda no rescaldo do Brexit



Após a vitória do Brexit no referendo de 23 de junho de 2016, a Europa ficou sobressaltada e as primeiras reações da União Europeia foram de alguma dureza relativamente ao processo de negociação do divórcio. No entanto, esta decisão de saída constituiu apenas a primeira grande consequência de uma Europa frágil e estática face aos novos desafios que o mundo lhe apresenta.
Agora, a aproximar-se a data em que o artigo 50 do Tratado de Lisboa será ativado, Theresa May tem que acautelar um futuro para o Reino Unido fora da UE. O Reino Unido consegue viver sem a União Europeia, mas também lucrou muito com a adesão – pelo menos a nível comercial –, sem ter tido a necessidade de abdicar da moeda ou da sua particular política externa. Neste último ponto, e nomeadamente na relação com os Estados Unidos, o Reino Unido perdeu. Esta relação remonta ao período pós-Segunda Guerra Mundial, quando foram celebrados vários acordos entre os países que partilham a língua inglesa (Reino Unido, Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia), designadamente ligados à cooperação dos serviços secretos e àquilo que ficou conhecido como o clube dos «cinco olhos», em inglês five eyes. Desta forma, os Estados Unidos viam o Reino Unido como uma voz dentro do círculo europeu que zelava indiretamente pelo país do outro lado do Atlântico.
Contudo, o Brexit, encabeçado por Theresa May, assinala apenas o início de uma vaga de populismo com que a Europa se tem deparado. E um dos argumentos dos populistas reside na imigração, apregoada como nefasta para uma nação. Na verdade, a imigração até pode constituir um ponto importante para um país, mas, se isso de alguma forma parecer que prejudica alguém dessa sociedade, nunca será bem digerido por ela. Existe, hoje, o sentimento de descrença em relação ao sistema político, fruto, em parte, de não se conseguir muitas vezes explicar determinadas medidas que se querem aplicar. Quando não entendemos, desconfiamos e muitas vezes não acreditamos no que nos estão a dizer.
O principal problema da Europa assenta na desigualdade. Para a ultrapassar essa desigualdade, sobretudo a económica, tem de haver mais flexibilidade. Recuar e ajustar as políticas é mais frutífero do que mergulhar numa crise que dá azo à formação dos populismos. A moderação recente de Merkel prova que também a Alemanha reconhece o tempo conturbado que se vive na Europa e que, neste momento, não é prudente a inflexibilidade.
Neste momento, anda muito em voga o estudo de um eventual fim do euro. Arrisco-me a dizer que, a curto prazo, nenhum país sairia beneficiado. Em vez de se explorarem terrenos perigosos e incertos, proponho que se invista naquilo de que o populismo se aproveita: a falta de eficácia na comunicação entre a esfera política e a social. É importante aprofundar um diálogo sério mas sustentado numa ação condizente.
Ao longo dos tempos, como nota Robert Skidelsky, prestigiado historiador britânico, a História faz-se de muitas pequenas decisões. Às vezes, as grandes mudanças não são exatamente desejadas da forma como acontecem. Às vezes, nem se percecionam imediatamente essas mudanças. Mas elas acontecem. Hoje, relativamente à Europa, tudo é incerto mas tudo é possível. É preciso agir para que tudo se conjugue da melhor forma, ainda que eventualmente isso possa não acontecer.

Tiago Morgado
estudante de Humanidades

Sem comentários:

Enviar um comentário