30/01/2017

Donald Trump: um louco exterminador incendiário




Mário Russo 
Vivemos um mundo conturbado e incerto a nível da segurança com reflexos na economia mundial. Assistimos ao aparecimento de ópios concentrados em grupos radicais, de que emerge o ISIS como uma ameaça global a ter em conta, após o ensaio Al-Qaeda evidenciar que as intervenções militares do ocidente em países muçulmanos foi o rastilho que faltava.
Milhões de refugiados fogem de guerras da intolerância e demandam países considerados civilizados e mais seguros no Ocidente, sobretudo para uma Europa que não consegue sair da letargia económica devido a políticas restritivas e de austeridade, sem os resultados económicos que os seus defensores vêm apregoando.
O desemprego tende a ser maior com a progressiva introdução da robotização, uso de drones e outras tecnologias que a internet das coisas vai acelerar, lançando maiores desafios aos governos que não sabem como lidar com uma globalização e economia disruptiva e fora do tradicional controlo.
 Diante de tamanhas incertezas, o que mais se precisaria era de concertação entre as nações do mundo para alinhar políticas que estancassem o medo do futuro instalado na sociedade. Mas a atuação do novo Presidente dos EUA, Donald Trump, está a precipitar tudo e a agudizar os problemas já existentes.
Donald Trump, de facto está a cumprir o que prometeu na sua polémica campanha, sendo o que normalmente os eleitores quem dos políticos: que é cumprir as promessas eleitorais. Mas o caso de Trump é particular por duas ordens de ideias: a primeira por ser a maior potência do Planeta, cujas responsabilidades históricas no mundo têm sido evidentes, sobretudo depois da II Grande Guerra mundial, como farol da democracia, da liberdade e da economia que são incompatíveis com o protecionismo e isolamento da maior potência do Globo.
Em segundo lugar, porque as ideias do candidato sendo polémicas, verdadeiras bravatas de fanfarrão, não podem deixar de ser confrontadas com as consequências da sua aplicação e a liberdade dos outros países. Trump tem evidenciado ser um ignorante, boçal, racista, machista, mal-educado e ditador. Como “menino” mimado e birrento acha que pode fazer tudo o que quer e acaba de incendiar mato cheio de lenha e brincar com o vespeiro, sem medir as consequências não só internas, como externas.
De facto, Trump abriu a caixa de Pandora no que toca à segurança mundial. As medidas anunciadas são odiosos à luz da sensibilidade do presente e os resultados serão certamente o contrário do que pensa. Em pleno século XXI não é justificável adicionar mais muros aos existentes, físicos e imaginários. A tolerância, fraternidade, solidariedade, amizade são valores conquistados com sangue, suor e lágrimas há mais de duzentos anos. Trump está a contribuir para que os povos odeiem a América (e o próprio ocidente), mais do que já acontece, cujas consequências são imprevisíveis.
Um empresário bem-sucedido, sem experiência política poderia ser presidente da América, mas teria de ter bom senso. Não é o que acontece com Trump, que se comporta como qualquer ditador de uma republiqueta africana ou sulamericana, mandando em todos os que o rodeiam a toque de chibatadas como um caudilho ou coronel do nordeste brasileiro. Nota-se que se rodeou de gente sem escrúpulos, boçais, mentirosos, racistas e de extrema-direita que o bajulam, para dar corpo às suas ideias perversas.
Não há uma única medida que tomou que faça sentido a não ser para incendiar o mundo e o tornar cada vez mais um lugar perigoso para se viver. Eu não quereria viver em nenhuma das suas Trump Towers espalhadas pelo mundo, verdadeiros alvos de extremistas. Além de não serem medidas que afetam a circulação de pessoas de alguns dos países visados, afetarão no futuro o Planeta com a sua desregulamentação total, deixando ao livre arbítrio dos industriais e do mundo económico e financeiro traçar as suas regras, à boa moda dos cow-boys do faroeste americano.
Com efeito, ao negar as alterações climáticas, como qualquer pigmeu em África negará a ida de homens à Lua, Donald Trump nega a evidência científica e mata o acordo de Paris, porque os EUA são o maior emissor de poluentes para o ambiente, cujo prejuízo não fica confinado ao seu país. Estudos com radioisótopos rastrearam o fluxo de poluentes na atmosfera que evidencia cientificamente o seu trajeto à volta da Terra, afetando os seus habitantes de forma indistinta.
Permitir a exploração desenfreada dos combustíveis fósseis sem regras, assim como a liberalização das emissões industriais para tornar mais barata a produção industrial americana é um mau caminho. Na frente legal, a proibição da Agência Americana do Ambiente e das autoridades de Ambiente Estaduais de emitirem estudos de impacto ambiental sem a sua aprovação é digna de qualquer ditadura de pacotilha e um dos maiores retrocessos civilizacionais e incompreensível na América. Um mau exemplo.
Trump está a fazer o que o Aiatola Khomeini fez quando chegou ao Irão após a queda do Xá Reza Pahlavi, que retrocedeu leis até ao século XIII. Trump retrocedeu ao início do século IX, em que não se conhecia o efeito no ambiente causado pelas emissões poluentes e antes do século XVIII, em que se deu a abolição da escravatura.
De facto Trump é um perigo à solta, um verdadeiro Mamute numa loja de porcelana. Não bastava termos os malucos a governar  a Venezuela, a Coreia do Norte, a Síria e a Rússia, para o mundo já ser perigoso, temos agora um louco à solta na Casa Branca que é mais letal que todos os outros juntos.

6 comentários:

  1. O apelo ao ódio, racismo, individualismo, nacionalismo fanático e promessas de lucros fáceis colhe o pior que existe dentro das pessoas, principalmente os ignorantes, lunáticos e empresários sedentos de maximização de lucros.

    A história serve como um espelho para o homem, mas não nos impede de cometermos exactamente os mesmos erros sistematicamente.
    O Reich de Hitler também apelou ao verdadeiro nacionalismo e a Alemanha primeiro e como exemplo para os outros e isso levou-os a loucura e abismo nacional.
    Politica e religião são o cancro na nossa sociedade e enquanto as pessoas não se libertarem dessa lavagem cerebral os conflitos não vão ter fim, todas as guerras são um apelo seja para defender modelos económico/políticos ou crenças religiosas.
    Penso que pela primeira vez vamos ver a verdadeira América, sem truques e ilusões!!

    ResponderEliminar
  2. Caro Mario RUSSO.
    O teu TITULO é ESCANDALOSO.
    O teu texto esta completamente desfazado, com um HOMEM que viaja pelo Mundo.
    Estou portanto em desacordo total e absoluto contigo.
    Parto do princípio que és um Homem conhecedôr da Historia. Assim sendo um Homem analista, conhecedor da Historia, NUNCA COMPARA DOIS HOMENS, SEJA QUAL FOR O PRETEXTO. CADA HOMEM (GRAçAS A DEUS)é exactamente ÚNICO.
    Constacto que estas muito preocupadao com os Siros e outros que tais. Esses Povos estavam bem tranquilos na TERRA deles. Quêm é que os foi ATACAR ??? destruir-lhes as casas, as terras,os filhos, a PAZ ???
    E QUANDO OS CRUZADOS DO OCIDENTE, RUMARAM JERUSALEM MATANDO TUDO (ARABES)QUE SE LHES APRESENTOU PELA FRENTE PARA LIBERTAR A TERRA SAGRADA ???
    Cada tempo, têm um tempo. Cada Homem têm o seu tempo.
    Nelson Fernandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Palavras de um iletrado!
      A. Fraga

      Eliminar
    2. Estimado Nelson,
      Tem toda a liberdade de achar o título escandaloso. Quem viver verá.
      Quanto às considerações que faz no seu texto não percebo que relação têm com o que escrevi.
      Texto desfasado em quê? O que me espanta é imigrantes já legalizados nos EUA terem votado em Trump, apenas porque assim não terão mais concorrência de outros emigrantes. Tb me espanta outros imigrantes confortavelmente condenarem quem foge de guerras e da fome e procura auxílio em outro país.
      Espanta-me ver tanta indiferença e crueldade.
      Mas, enfim, é a vida. O mundo é o que é. Parece que não passamos da selvajaria.

      Eliminar
  3. Caro Mário Russo não posso concordar mais com tudo o que diz no seu texto. Acrescentaria, talvez, que convém não esquecer que este tresloucado está no poder porque ganhou eleições democráticas ou pelo menos assim intituladas. Esperemos que a democracia norte americana, apesar de sui generis, seja capaz de produzir os mecanismos necessários para que o mandato deste atolambado não chegue ao fim. Confesso que não tenho grandes esperanças. Afinal de contas os americanos conseguiram eleger (e reeleger pasme-se) George W. Bush!!!

    ResponderEliminar