26/10/2016

Síndrome da licenciatura



Os políticos em Portugal têm uma doença que é congénita, " O Síndrome da Licenciatura", todos querem ser doutores. Como se uma licenciatura lhes desse estatuto. Parece que em Portugal alguém para ser gente tem que ser licenciado. Isto mostra o quanto continuamos atrasados. 
Anteriormente foi um Primeiro-Ministro. José Sócrates e a sua licenciatura. Depois foi um Ministro, Miguel Relvas. Agora um adjunto do Primeiro-Ministro . Rui Roque disse que era licenciado, mas apenas completou quatro cadeiras. Este foi descoberto  e como é o mais baixo da hierarquia demitiu-se , os outros não. José Sócrates ficou com o título académico, Miguel Relvas depois de tudo abdicou.

Sempre disse e já escrevi várias vezes que vivemos num pais de doutores. As pessoas valem pelo que são e não pelo curso que têm.

Uma coisa é a instrução outra coisa é a educação. Eu prefiro um cidadão educado com princípios do que um cidadão instruído aparentemente e sem princípios.

Portugal precisa de gente bem formada não é o mesmo com formação ( académica). Nesta área ainda vivemos na idade da pedra.

FN: estou à-vontade nesta temática, sou ( mesmo) licenciado em Biologia pela Universidade do Porto. Mas não é por isso que me julgo mais do que os outros.

JJ

2 comentários:

  1. E com os exemplos dados e conhecidos, melhor seria que os que têm na mão os destinos do país, fossem analfabetos, honestos, e com a dose necessária de bom senso para saberem que não se pode nem deve, gastar mais do que se pode, sobretudo para agrado dos que deles dependem sem medir as consequências e muitas vezes até sabendo antecipadamente que o resultado será desastroso.


    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar
  2. Carissima HERCILIA OLIVEIRA.
    Vou aqui juntar alguma coisa ao teu comentário mas so para nós. Estes políticos são os políticos da liberdade do 45 de Abril e da democracia. A Venezuela é outro exemplo a têr em conta.
    Aquando da Revolução de Abril e gostaria de deixar claro que embora jovem regozijei-me com essa Revolução. Eu fui uma das vitimas da Ditadura, famina e culturalmente falando. Trabalhava eu para uma das maiores emprezas da época da Pesca do Bacalhau (Armazens José Luis da Costa) em Lisboa.
    Consumada a Revolução e chegada a hora de mais uma Partida para a Safra da Pesca do Fiel Amigo, nos Bancos da Terra Nova, os Pescadores da Epoca muitos aí do norte; Gafanhas, Poveiros ...! Exigiram ao Armador acima referido, uma BIBLIOTECA dentro de cada Navio. O S.Rafael aonde eu trabalhava, O Vimieiro e o Cernache.
    Perante semelhante pedido o Armador nem se fez rogado e vai de comprar uns milhares de livros para distribuir pelos três navios.
    Chegados os livros, os représentantes das récem creadas Comissões de Trabalhadores, foram indagar o tipo de literatura que os esperava para matar o ócio. Caíram por terra.
    Que merda é esta ? O que nós querêmos é LIVROS DE COWBOYS.
    Escusado sera dizer que já nesse ano O PRIMEIRO DA REVOLUCÃO os três Navios da Grande Empreza que eram os ARMAZENS JOSE LUIS DA COSTA EM LISBOA, NÃO SAÍRAM do Vale de ZÊBRO ali em frente à Grande que foi SIDERURGIA NACIONAL.
    E se digo aqui que os Armazens JLC eram uma Grande EMPREZA é que os primeiros descontos que tenho para a Segurança Social (Caixa Da Marinha Mercante Portuguêsa) foi essa Empreza que os fez a partir de 1970. Tinha eu 15 anos. Era O Marcelo CAETANO o Presidente do Conselho.
    O Marcelo Caetano deixou um Afilhado é certo, mas os tempos são outros. Naquele tempo os Cofres do Banco de Portugal ainda estavam cheios de OURO. Mas os democratas abrilenhos, breve se livraram do peso de tanto ouro.
    Estava muito mais seguro no Forte Lauderdale.
    Uma no Cravo, outra na ferradura.
    Só que o cravo é flôr de pouca dura uma vêz cortado.
    A ferradura essa sim, sêja cavalo sêja burro que a porte, uma vêz cravada dura uma têmporada até que se rompa.
    E como em tempo de crise nem os burros têm trabalho, logo a ferradura vai durar um tempo infinito a desgastar-se.
    Toc,Toc,Toc, anda burro ...!!! Com óculos de sol, até a palha te parece verde...!!!
    Nelson Fernandes

    ResponderEliminar