15/07/2016

Como é que se destrói um sonho lindo



Mário Russo
A notícia de que o ECOFIN vai abrir um procedimento de sanções contra Portugal e Espanha é um exemplo refinado da filosofia reinante que tem como objetivo implodir o sonho traçado por homens com visão. Dá para perguntar porque não o faz contra a França que teve um défice de 3,5%, logo, tal como Portugal, excedeu os 3% da dita regra?

O défice de 3% é uma baliza e até se pode aceitar que tenha sido estabelecido como uma regra para balizar a saúde financeira dos países. Mas não pode ser uma medida quantitativa apenas, mas igualmente deve ser qualitativa e jamais medida punitiva simples. De facto, como medida quantitativa é simplista e não serve os propósitos de transformar territórios que se digladiaram durante séculos, em terra de paz, solidariedade e fraternidade como os pais da CEE visionaram.
Os países ainda exibem grande assimetria económica e de desenvolvimento, agravada porque não há harmonia fiscal, logo a concorrência livre que é estabelecida entre os Estados Membros é desigual e injusta quando as taxas e impostos não são harmoniosos. O que o ECOFIN decidiu é uma decisão punitiva dos grandes contra pequenos países. É uma decisão vergonhosa.
Porque é que o COFIN não abriu um processo por défice excessivo quando a Alemanha excedeu o défice por 5 ocasiões? Em vez disso, simplesmente suspendeu a obrigatoriedade. Será que não é vergonhoso? Ou a Holanda também o fez e cujo Ministro das Finanças (da direita radical) é o algoz do Eurogrupo sempre pronto para punir Portugal? Que moral têm esses senhores? Nenhuma. E por isso, nós, portugueses e Espanhóis, devemos erguer a nossa voz contra essa sanha persecutória de vampiros.
Por estas e outras a desconfiança que os cidadãos começam a ter acerca dos propósitos dos canalhas que nos governam a partir de Bruxelas vai aumentando. Esta é mais uma acha para a fogueira da destruição desse sonho idealizado por verdadeiros Estadistas, que os anões de Bruxelas teimosamente vão colocando na fogueira.
A Inglaterra já saiu (está saindo), em boa parte pela desconfiança que os seus cidadãos nutrem pelos burocratas de Bruxelas. Ora se esses demolidores de sonhos continuarem com estas práticas discricionárias, seguramente que o caminho da destruição será um sucesso. Basta que a Grá-Bretanha saia vencedora no campo económico fora da UE, para ser o rastilho.
De facto, os decisores políticos vão se perguntar, afinal para que estamos aqui amarrados numa jangada de pedra?
Ergamos as nossas vozes contra os canalhas de Bruxelas.

2 comentários:

  1. Completamente de acordo....a submissão deve ter limites....António Magalhães-Canelas

    ResponderEliminar
  2. Embebecidos com uma Europa unida, com interesses comuns e comunhão de um sonho lindo, ainda viajam muitos europeus.

    Acabou, acordem.

    A Inglaterra já foi.
    A Grécia teria saído se tivesse sido respeitado (referendo) o OXI ?
    Creio que sim.
    Houve inclusive uma "graça" feita por Nobel Paul Krugman: “O risco real para o euro não é que a Grécia falhe, mas que seja bem sucedida.
    A Inglaterra sair bem sucedida, daqui a uns aninhos, até é bem provável, dado que manterá a mesma moeda, já é um factor a seu favor.

    Tenho lido opiniões diversas, todas fatalistas, mas se continuarmos a embarcar nesta jangada de pedra ( como diz e bem ) o fim da viagem não acabará concerteza numa praia paradiziaca.

    Os portugueses devem ser informados, quanto antes, das consequências de uma eventual saída de Portugal da UE, sendo esta feita com legitimidade ou por imperativa e forçada retirada. Se houver referendo, temo que a maioria dos Portugueses não tenha toda a informação, principalmente límpida e com tempo suficiente de reflexão, podemos correr o risco de ser feito sobre ambiente frágil e emocional dada as todas as ocorrências de toda a ordem, que têm sucessivamente acontecido em alguns países desta Europa...

    Eu acredito em Portugal, não acredito é nos actuais políticos.

    "Dani Kodrik, conceituado economista de Harvard, antevê um desfecho positivo caso Portugal saísse da moeda única. Numa passagem pelo país foi questionado (...) sobre uma saída de Portugal do euro, e admitiu: “Se Portugal saísse da Zona Euro, os efeitos imediatos seriam muito duros, mas com hipóteses de uma recuperação num ou dois anos”.

    ...levantai hoje de novo o esplendor de Portugal. Enquanto é tempo.

    Bem haja Mário Russo.

    ResponderEliminar