26/05/2016

A Gestão de Resíduos depende de todos



Mário Russo
Tenho a honra de ser um dos convidados para participar no dia Mundial do Ambiente que as Nações Unidas celebram este ano em Angola, na cidade de Luanda. Apesar das temáticas serem mais dedicadas à biodiversidade e ao combate ao tráfico da fauna e flora selvagens, os resíduos foram integrados no ciclo de palestras dada a sua relevância a nível mundial, painel esse em que apresentarei uma proposta de gestão integrada de resíduos num contexto prático e concreto em África.
De facto, a produção de resíduos é um dos grandes desafios colocados à sociedade nos nossos dias pelas quantidades descartadas anualmente no ambiente, perdendo-se recursos finitos e muitos com um fim à vista na nossa geração, se nada for feito em contrário.
Com efeito, gera-se anualmente no mundo mais de 4 biliões de toneladas de resíduos de origem municipal, industrial e perigosos (http://www.unece.org) que contribuem para 5% dos gases de efeito de estufa (GEE). Os resíduos municipais gerados são entre 1,6 e 2 biliões de toneladas, sendo a maior parte resíduos orgânicos putrescíveis, alimentos e restos de alimentos e resíduos verdes, cujo crescimento é estimado em 44% até 2025 devido ao crescimento da população e do consumo. Esta situação provocará um acréscimo da emissão de GEE de 8 a 10% relativamente à atualidade.
A reciclagem em todas as suas formas emprega 12 milhões de pessoas apenas em três países - Brasil, China e Estados Unidos. A triagem e o processamento de materiais recicláveis sustentam dez vezes mais empregos do que operações em aterros ou em incineração, numa base por tonelada (Towards a green economy - UNEP). Por outro lado, deve referir-se que a reciclagem conduz à economia de recursos substanciais. Por exemplo, para cada tonelada de papel reciclado, 17 árvores e 50 por cento da água podem ser evitadas. A reciclagem de cada tonelada de alumínio, conduz à economia de recursos evitando 1,3 toneladas de resíduos de bauxita, o consumo de 15 m3 de água de refrigeração, 0.86 m3 de água de processo e 37 barris de petróleo. Para além de evitar 2 toneladas de CO2 e 11 kg de SO2.
O panorama a nível mundial não é nada confortável sob o ponto de vista ambiental. Com efeito, cerca de 70% dos resíduos municipais são depositados em lixeiras ou em aterros sanitários, 11% são tratados por métodos térmicos em incinerações com produção de energia elétrica e apenas os restantes 19% são reciclados ou tratados por tratamentos mecânico-biológico (TMB), que inclui a compostagem. O desperdício de recursos, como se pode deduzir, é imenso.
Sob o ponto de vista da saúde pública o espelho mostra-nos uma imagem distorcida, dado que se estima que cerca de 3,5 biliões de pessoas no mundo não têm acesso a sistemas de gestão de resíduos, que representa cerca de 52 % da população da Terra (dados de 2008), que inclui população sem a recolha para fora das suas áreas de residência e menos ainda qualquer tipo de tratamento.
O crescimento rápido da população sugere que o problema se agravará com a rápida urbanização das populações, sobretudo no hemisfério sul, para onde se dirige o crescimento económico mundial e o da população.
Há o perigo de cerca de 40 metais e metaloides acabarem nos próximos 30 a 40 anos, dadas as reservas conhecidas e o ritmo de consumo. Se nada for feito, isso inviabilizará no futuro a fabricação de ecrãs táteis tanto do nosso agrado. A impossibilidade de construção de máquinas ferramenta e via disso, uma série de produtos que fazem as nossas delícias na atualidade. Pode evitar-se este desastre com a reciclagem e, sobretudo com uma mudança de atitude de todos nós, separando os resíduos orgânicos putrescíveis (restos de comidas e alimentos, etc) dos restantes resíduos secos.

7 comentários:


  1. A milhares de km, Mário Russo saúda o CdP e a cidadania, tão necessária.

    Como a gestão de resíduos é um caso de cidadania, enviou uma reflexão.

    De Luanda segue para o Brasil, igualmente para proferir uma palestra a convite da organização do Congresso internacional de resíduos.

    E o tema é sobre resíduos e recursos: os desafios do setor da reciclagem devido aos baixos preços das comodities.

    Os nosso parabéns ao Mário Russo

    ResponderEliminar
  2. Obrigado Amigo. Tenho que fazer jus ao CdP, não é? Grande abraço.

    ResponderEliminar
  3. Caro Mario RUSSO. Boa noite ? Bom dia ? Ande lá por onde andar, desde já os meus parabens por, estar envolvido em semelhante tarefa, de impacto, (como muito bem diz no seu texto), Universal.
    Esse tema, efectivamente de impacto negativo incalculável se nada fôr feito a curto têrmo, pode mesmo metêr em causa a sobrevivência da Humanidade. O exemplo mais recênte é a propagação do ZICA.
    Votos de continuação de memoráveis intervenções. Caro Amigo Mario RUSSO quando terminar o seu périplo e estiver de volta a Portugal, convido-o para vir aqui a Suissa para vêr "in loco" o sistema aqui implementado. Até porque temos um textual acerto de contas os dois. Fico a aguardar.
    Nelson Fernandes
    Genébra 24.05.16

    ResponderEliminar
  4. Parabéns, Mário Russo!
    Que os objéctivos sejam bem sucedidos, e que tudo lhe corra como o desejado.

    Um abraço

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar
  5. Obrigado a todos pelas encorajadoras palavras e generosidade.
    Caro Nelson Fernandes, com todo o gosto, até porque também tenho aí um grande amigo, Mauro Gandola, um expert na área do tratamento de resíduos com quem já trabalhei em projetos internacionais muito interessantes. Quanto ao acerto de contas elas estão sempre saldadas e em livre curso de ideias (ahahaha). Viva a diferença, a liberdade, a transparência e a elevação e ética na discussão. Respeito as opiniões diferentes das minhas, mas defendo até ao último minuto o meu pensamento enquanto tiver a certeza que é o correto. Mas mudo quando percebo que a minha avaliação não estava correta, apenas por uma questão de inteligência. Abraço

    ResponderEliminar
  6. Continuação de boa e proveitosa viagem, Caro Mario Russo.
    See you soon.
    Saudações
    Nelson Fernandes

    ResponderEliminar
  7. Com muita satisfação recebo esta sua reflexão e desejo-lhe sucesso na sua intervenção.
    É um tema que merece toda a sua importancia e atenção no mundo actual.
    Bem haja

    ResponderEliminar