17/01/2016

Contradições de um inábil novo Ministro da Educação



Mário Russo
Fiquei muito surpreendido quando apareceu o nome de Tiago Brandão Rodrigues como Ministro da Educação. Primeiro porque é uma área da maior importância para que o nosso país possa posicionar-se competitivo num mundo económica e tecnologicamente global, que se esperaria um Ministro com densidade técnica, política e educativa.
Com efeito, o setor da Educação precisa de estabilidade e merecia alguém com muita experiência, conhecimento e paciência. Mas o que se viu foi um jovem investigador com carreira de meia dúzia de anos no estrangeiro ser escolhido para uma tarefa superior à sua capacidade juvenil, revelada apenas alguns dias após ser nomeado.
Surpreendeu-se por um lado, mas não por outro. Pois revela o atraso e o provincianismo do nosso país. Só porque tem um doutoramento e trabalhava numa universidade estrangeira já é um sábio. Mas pior é quando são os próprios doutorados a acharem-se sábios, sobretudo de TUDO.
Eu sou licenciado, tenho dois mestrados, uma equivalência a doutoramento e um doutoramento, e pelo meio uma especialização. Mas isto não me faz mais que um melhor conhecedor, por obrigação, dos temas que abordei, mas alto lá, hoje já não sou especialista em estruturas, porque há muito tempo que deixei de praticar/estudar o tema. Ora, acerca de um mundo de saberes não passo de um aprendiz, curioso, estudioso amador como toda a gente. Porque cargas de água se poderá pensar que TIAGO Brandão Rodrigues tem capacidade para esta missão? Só porque é doutorado?
O Jovem Ministro revelou logo inabilidade, que se poderia confundir com falta de Educação: queimou por completo o sistema de avaliação em vigor, por decreto e só depois de uma semana veio dar explicações, atabalhoadas e de pura profissão de fé.
Revelou uma arrogância, que certamente não é sua, mas revelou, ao sentir-se ungido por um Deus (talvez Grego) da suprema sabedoria, arrasando o que estava para trás, apenas meia dúzia de dias de se sentar na cadeira de Ministro.
A prudência aconselharia que o Sr. Ministro fizesse uma profunda reflexão sobre o que se passa na Educação em Portugal, porque desde que ele se licenciou algumas coisas se passaram e merecem, essas sim, serem avaliadas. Desde logo avaliar a qualidade das instalações, dos recursos das Escolas, dos orçamentos, da qualidade dos recursos educativos, dos professores, das metodologias, dos progressos dos alunos, comparando-os internacionalmente. Temos os Programas de benchmarking: PISA, PIRLS, TIMSS… porque não estamos sozinhos neste mundo cada vez mais global e competitivo.
O Ministro entrou pelo facilitismo abolindo os exames de avaliação para não traumatizar as criancinhas. Uma ideia peregrina do “cancro” da Educação (as ditas Ciências da Educação que na verdade são as ciências da deseducação, onde pululam pessoas que nada ou pouco sabem de conteúdos de conhecimento e sabem muito de como ensinar… ludicamente.. os eduquêzes). Revelou-se um Ministro fraco, um aventureiro sem conhecimento do setor que aceitou o que as esquerdas lhe “venderam” como bom, mas que aconselharia prudência para não enfeudar o nosso futuro mais do que o que ele já está.
O Ministro não se preocupou em saber como estão as escolas inseridas no seu meio social. Se tem carências ou não. Se é preciso cuidar dos meios para se poder exigir individualmente e corporativamente um ensino consequente com as exigências do século XXI, onde muitos Estados encorajam os responsáveis pela educação a adotar padrões internacionais exigentes para competir ao mais alto nível e vencer.
Como uma das contradições está o Sr. Ministro pensar que a avaliação no 4º ano traumatiza a criança, mas não achar que “aferir” conhecimentos (fingir que se avalia) a uma criança do 2º ano não traumatiza. Claro que em nenhum caso traumatiza coisa nenhuma. O Fundamental é saber como avaliar e o que avaliar, treinando as crianças para este mundo competitivo e não deixá-las às “feras”. Nem é preciso inventar a roda. Basta ver o que fazem os países mais competitivos e ricos, como o Japão, Coreia do Sul, Taiwan e Singapura (Tigres Asiáticos). Não brincam em serviço. Felizmente os meus netos estão a estudar em Singapura em ambiente exigente para estarem preparados. Eles não estão nada traumatizados com as avaliações e classificações e estão muito felizes, tal como o avô não ficou nada traumatizado com os exames que teve na 4ª classe, nos 2º, 5º e 7º anos do Liceu. Nem conhece nenhum ex-colega que tenha ficado.
Até nem é mau fazer uma avaliação intercalar, mas o inconsequente é não avaliar nos fins de ciclo. Se a aferição serve para saber se a “mensagem” dos professores chega bem ou não chega e, assim, poder-se corrigir a rota, reforçar quem esteja mais atrasado, saber o que se passa no contexto escolar e do meio social, etc, faria sentido que se avalie se as terapias e métodos estão a resultar.
De qualquer modo, nunca seria uma medida a adotar em pleno ano escolar em andamento, ao arrepio do bom senso, aliás, nem precisa ser bom, basta ser senso comum, revelador do desprezo pelas nossas crianças.
Tenho pena que se tenha perdido um bom investigador e se tenha ganho um Mau Ministro. Mais um exemplo do provincianismo e obscurantismo português.

2 comentários:

  1. OK sr. Mário Russo, então o Crato é que era 1 sumidade e + valia deixar estar que estava td bem!
    O homem entrou há +/- 2 meses e por si era já "fogueira c/ ele".
    Pessoalmente acho que o anterior (podia ser mto culto,catedrático e bem conceituado),mas era mto soft.
    Parece que agora que tem + tempo,se dedicou á escrita e vai lançar o seu primeiro livro (como cidadão,não como politico). Terá como título,provavelmente, "Diário de 1 banana em S. Bento"
    Vai dar best-seller,aposto!!

    ResponderEliminar
  2. Confesso que também fiquei surpreendido com a escolha deste Ministro da Educação. Colocar um júnior a jogar pelos seniores só resulta em casos de enorme talento para a "coisa". Não é, de todo, o caso. Concordo que é um enorme erro de casting mas, caramba, ele só lá está à pouco mais de 2 meses. Não precisamos de cortar as unhas tão rente.
    Também gostaria de dizer que Japão, Coreia do Sul, Taiwan e Singapura têm excelentes sistemas educativos que funcionam naquelas sociedades específicas que são, como se sabe, muito diferentes das ocidentais em geral e da nossa em particular.
    Evidentemente que é preciso saber como funcionam os sistemas educativos mais eficazes. Todos eles. Mas também aqui é preciso saber que não existe um único caminho para a eficácia e que há sistemas muito diferentes na sua conceção mas que se traduzem em idêntica eficiência.
    Em qualquer dos casos, concordo que mudar as regras do jogo a meio, sobretudo no campo das questões educativas, costuma dar mau resultado.

    ResponderEliminar