13/11/2015

Os Efeitos da Lavagem Cerebral



Pedro Liverpool
Há dias liguei para Portugal, para falar com um velho amigo. Falámos de trivialidades e, a dada altura, falou-se de política.
Ele diz : Não tem jeito nenhum, o que o PS está a fazer! Juntar-se aos partidos de esquerda, com inspiração Marxista! Respondi eu : Mas isso é de há 40 anos atrás - os partidos e as pessoas evoluem. O país está à procura de uma outra inspiração. Solidariedade social que, aliás, está consagrado na Constituição. Esta não diz que a vida e a prosperidade são um privilégio dos ricos que, a seguir, espalham as migalhas, que sobram. As oportunidades de produzir riqueza devem ser baseadas no mérito, não nos compadrios, com o qual se alimentam os medíocres. Por isso votei Bloco de Esquerda - finalizei eu -. 
Ao que o meu amigo responde: Mas eu também votei no Bloco!
Conclusão: apesar de ter tomado a decisão certa (para si próprio), o meu amigo não a consegue justiçar, perante a injecção mediática de desaprovação, da opção de esquerda para governar Portugal. 


1 comentário:

  1. Bem visto. Concordo consigo.
    É isso mesmo, aquela necessidade de obedecer ao convencional, com medo de ter de responder por se desviar da posição emitida pelos "génios" mediáticos que nos entram pela casa dentro a cada hora certa...
    Lembro-me muito de Edgar Morin, quando ele fala da liberdade que só é possível com uma comunicação social livre e imparcial, que tenha como função, informar e não manipular.
    Em Portugal, não a temos e isso condiciona a nossa existência e a capacidade de mobilização dos cidadãos mais do que a acção de quaisquer caciques partidários...

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar