05/05/2015

O banho


Carla Ribeiro






A música suave A água corria na banheira. Recostei-me na banheira O meu corpo relaxado. Fechei os olhos. Entras-te, mas não te ouvi. Colocaste pétalas na água, E suavemente, beijaste os meus lábios. Abracei-te e puxei-te para dentro da banheira. O teu corpo deslizou suavemente. Lentamente, despi a tua roupa. Queria sentir o teu corpo no meu. As tuas mãos percorriam o meu corpo Os teus beijos incessantemente procuravam os meus. Os nossos corpos flutuavam na água Procurando-se para se acariciarem. Puxaste-me para ti. Senti as tuas mãos nas minhas nádegas A tua boca beijava o meu peito. Deleitei-me ao prazer de te sentir. Todo o meu corpo desejava o teu. Os teus beijos percorreram o meu corpo As tuas mãos procuravam o meu sentir. Afastaste as minhas pernas e a tua mão tocou-me Sentiste o meu corpo estremecer de desejo. A tua língua ardente de desejo percorria-me. Acariciaste a minha vulva Soltaram-se suspiros e gemidos de prazer. Sentia todo o teu corpo desejar o meu. Suspiros, gemidos, sussurros de prazer e paixão. Mergulhávamos os nossos corpos na água, Como que se buscassem novos prazeres. E ao som da música suave, Os nossos corpos, fundiam-se num só. Numa dança, num bailado De desejo, de Amar, de paixão. As minhas camoesas eram agora tuas, O meu desejo era teu. Oferecia-te todo o meu sentir. Amamo-nos, sem receios, sem pudor, Queríamos apenas nos oferecer o desejo de sentir, De nos Amarmos.

1 comentário: