04/05/2015

Clube dos Pensadores lamenta morte de Tereza Halliday





Tereza Halliday
Nunca conheci pessoalmente Tereza Halliday, de seu nome completo, Tereza Lúcia Halliday Levy. Começou a enviar os seus textos para o blogue , por sugestão de um amigo do Clube, Francisco Morgado. Estranhei que não enviasse como habitualmente os seus textos. Fui fazer uma pesquisa na Net e apercebi-me que faleceu. Um dia triste para mim. Já outra mulher que escreveu neste espaço, Isabel Carmo, também tinha falecido em 2010.

Há pessoas que nunca conhecemos mas gostamos. Esta era uma delas. Este espaço perdeu alguém com valor  erudito e de educação extrema. E, que os seus escritos iam para além da crónica política.

Um dia enviou-me esta mensagem:
"Quero mais uma vez agradecer-lhe pela divulgação de meus textos.E dizer-lhe do meu gosto em visitar o seu blog. A recente matéria sobre Saias Curtas e Decotes, pertinente e com a pitada certa de humor e ironia. Sem dúvida, o Clube dos Pensadores presta um bom serviço à comunidade e ao estímulo dos nossos neurônios". Que eu agradeci e enalteci os seus textos fabulosos e cheios de sentido.
O Clube dos Pensadores lamenta profundamente o falecimento, na madrugada de sexta-feira , no dia 24 de Abril, Foi professora do curso de Jornalismo na Universidade Católica de Pernambuco.
Foi jornalista e escritora, mas depois de se reformar Tereza dedicou-se ao trabalho de lapidar textos de terceiros para melhor apresentação, trabalhando a forma e o estilo, daí o título que ela mesma cunhou: Artesã de Textos. Ela lutou contra um cancro por um ano. Estava internada no Hospital Memorial São José e seu corpo foi cremado no cemitério Morada da Paz, em Paulista. Gostava de fazer Cooper nos finais de tarde no calçadão de Boa Viagem e tinha gosto em enviar os seus lindíssimos textos para o nosso blogue.

Uma homenagem póstuma  à minha querida amiga Tereza Halliday  e do Clube, com um texto escrito por Isabel Carmo ( também já não está connosco).


MULHER!

Mulher! Como inspira a tua tolerância!
Mulher, onde a beleza é indescritível
Mulher, flor de doce fragrância
Mulher meiga de beijos de mel…
Mulher vestida de elegância…
Às vezes de lágrimas de dor
De sorrisos de feiticeira
Sem que seja entendido o seu amor…
Mulher, mãe dedicada
Nem sempre apreciada.
Mulher sofredora,
Nem sempre respeitada
Mas sempre boa trabalhadora…
Mulher de responsabilidade
Que faz da sua lealdade
A bandeira da vida…
Mulher Mãe!
Doce Mãe querida,
Sofredora se já mãe não tem…
Mulher amante
Dando todo o seu amor
É como um precioso diamante
Cheio de brilho e esplendor…

Isabel Carmo

5 comentários:

  1. Lembro-me dos excelentes textos desta senhora.

    Lamenta-se a morte mas é uma inevitabilidade.
    RIP

    António Nunes

    ResponderEliminar
  2. Ah sim, e a Isabel do Carmo.
    O tempo passa como o vento
    agita as folhas das árvores
    às vezes derruba florestas

    Passa lesto e rodopia
    não morre a utopia

    an

    ResponderEliminar
  3. O poema de Isabel do Carmo levei-o comigo, para dizer à minha Mãe ...

    ResponderEliminar
  4. De facto uma perda. Os textos que pude ler eram bem trabalhados e sensíveis. Paz à sua alma.
    MR

    ResponderEliminar
  5. Lamento, realmente..., a "partida" de Tereza Halliday.
    Gostava muito dos textos que ela escrevia.
    É a "partida", que sempre teremos que fazer..., todos nós, mas que sempre nos surpreende.

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar