24/01/2015

Eleições na Grécia e a vitória do Syriza




Mário Russo
As eleições na Grécia de amanhã poderão alterar profundamente as políticas da União Europeia comandadas pela obtusa visão maquiavélica de Merkel. O líder do partido radical grego tem prometido que vai acabar com a imposição draconiana e punitiva da Alemanha aos países com défice excessivo, designadamente ao seu país, que se encontra à beira do abismo, sem ter melhorado com as medidas adotadas por Samaras.
As pressões que tem sofrido pelo FMI e agentes da UE são absolutamente indecorosas, com ameaças de todo o tipo. Sei que ele é um populista e eventualmente irresponsável à luz do establishment instituído. No entanto, por vezes, só a sã demência é que nos pode levar à lucidez.
O que tem a Grécia a perder se romper com a política de saque do FMI e UE? Penso que nada, porque a pior coisa que pode acontecer é ver um povo ser sangrado. O Líder do Syriza já viu que é uma decisão de viver ou morrer, porém com dignidade e não a ser sangrado.
Então o que vai acontecer depois das eleições? É claro que é futurologia, mas acho que a Grécia vai ter o perdão de 50% da sua dívida para poder pagá-la como pode e não como os credores sanguessugas pretendem e a UE vai acabar por aceitar como um mal menor, etc, etc, aproveitando-se da tomada de decisão do BCE de injetar euros na anémica economia europeia. Solução criticada por PPC que agora aplaude hipocritamente. Até porque os bancos alemães e franceses estão enterrados na dívida da Grécia até ao pescoço.
Será, assim, o Syriza, um ator improvável, que vai mudar a política punitiva da União Europeia, ao contrário do que vaticinam os algozes de Bruxelas e do FMI e pôr em sentido a Alemanha.
A ver vamos.


2 comentários:

  1. Jovens, gregos, em conversa num café:...“As coisas não podem ficar piores.” Faz uma pausa, olha para os amigos. “Bom, já disse isto em 2009, em 2012… E ficaram sempre pior.” Toda a gente se ri. “Mas desta vez não me engano”, garante. Fica tudo calado. “Bom, espero mesmo não me enganar…”

    ResponderEliminar
  2. Ha' um inquerito a decorrer no Publico online, perguntando ao Portugues, se aparecesse um Syriza em Portugal, se votavam nele. Perto de 80% disserem que sim.
    Pelos vistos, sente-se que ha' necessidade de mudanca em Portugal.
    Nao ha' e' homens (nem mulheres) para encetar essa mudanca

    ResponderEliminar