29/11/2014

Carlos Alexandre



Carlos Alexandre. O juiz de todos os casos

O juiz Carlos Alexandre é o responsável pelo organismo que coordenou a investigação que levou à detenção do ex-primeiro-ministro José Sócrates.

Monte Branco, Furacão, Portucale, Apito Dourado, Face Oculta, BPN, Remédio Santo, BES, vistos “gold” e detenção de José Sócrates. Estes são alguns dos casos complexos e mediáticos em que esteve ou está envolvido o juiz Carlos Alexandre.
É desde 2006 o magistrado judicial responsável pelo Tribunal Central de Investigação Criminal e trabalha com o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP).
Tem várias alcunhas: “Mourinho da Justiça” , "Garzón português", “Super-Juiz”, “Juiz sem medo”, “Justiceiro” e todas parecem servir a este cidadão que nasceu em Mação há 52 anos.

Carlos Manuel Lopes Alexandre é filho de um carteiro e de uma operária fabril. Estudou na Telescola. Completou a licenciatura na Faculdade de Direito de Lisboa, passou pela Polícia Judiciária Militar, seguiu a carreira da magistratura judicial e esteve em Sintra antes de chegar ao Tribunal Central.
Dizem os que o conhecem que é católico devoto e sportinguista assumido não tem medo e não recua perante pressões e ameaças. A sua casa em Linda-a-Velha já foi assaltada e a mulher atropelada.
São raras as entrevistas ou conversas com a comunicação social e poucas as participações em seminários. Mas, por outro lado, algumas das diligências em processos por si tutelados chegam à comunicação social antes de chegarem aos arguidos. Foi o que voltou a acontecer na noite desta sexta-feira, com a SIC a saber previamente que Sócrates iria ser detido e a acompanhar a operação.

Há uns anos participou no blogue do amigo António Colaço, um antigo assessor do PS. Lá escreveu, entre outras coisas: “Comigo a verdade falará sempre mais alto".


retirado da RR

4 comentários:

  1. Se o Sócretino se sente mais livre que nunca..., então que fique LÁ para sempre, que nós também nos sentimos mais livres...!

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar
  2. E como já vai mais UM..., será o 45!?

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar
  3. Se a justiça portuguesa, tivesse muitos CARLOS ALEXANDRES..., o país seria muito diferente, e para melhor!
    Agora..., ele que se cuide, que a máfia que nos tem desgovernado, vai reagir!

    Que as boas energias, o acompanhem.

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar
  4. Ou não; ou então pergunto, onde estão os outros números quarenta e quatro. "É que os casos são tantos e os detidos tão poucos."
    É melhor de momento esperarmos que se faça luz...
    Também pergunto, porque é que as autoridades portuguesas ignoraram os dois milhões e quatrocentos mil euros, da mansão comprada em França, podia concerteza ser mais uma prova a juntar ao processo.
    Como diz o velho ditado a procissão ainda vai no adro...

    ResponderEliminar