14/10/2014

Petição na U.E.



Pedro Almeida 


Comissione per le petizioni
La Presidente
Erminia Mazzoni

Subject- Petition n. 1211/2013

Exma. Senhora:
Obrigado pela sua carta datada de 16/04/14.
 Você afirmou que a Comissão começou a examinar a minha petição e decidiu solicitar à Comissão Europeia que proceda a uma investigação preliminar dos vários aspectos do problema. discutidos na minha última carta.
Lembro a Sra que a minha carta destacou o clima de corrupção aberta, a criação de riqueza não controlada por políticos e seus amigos, e Justiça inexistente em Portugal.
  Na sua carta, você não especificou como vai  investigar o problema.
Por causa disso, decidi enviar-lhe algumas informações sobre como as coisas funcionam em Portugal :
Foi criada uma comissão pelo Governo Português para investigar os detalhes da compra de dois submarinos pela Marinha Portuguesa, há 10 anos, a uma empresa na Alemanha, Ferrostaal.
Informo que dois ex-altos funcionários da Administração desta empresa alemã e o ex-cônsul de Portugal em Munique (todos de nacionalidade alemã) foram condenados por corrupção, neste caso, pelo o pagamento de 30 milhões de euros em subornos.
No entanto, a Comissão Portuguesa formado por políticos do coligação no poder neste momento, decidiu encerrar a investigação esta semana apenas quando as coisas começam a ficar claras, sobre quem recebeu estes subornos, em Portugal.
O receptor das propinas era uma empresa chamada ESCOM – do Grupo Espírito Santo, um banco que detinha 67% da empresa. Este Banco - GES - foi escolhido pelo governo de Durão Barroso (ex-presidente da União Europeia, até recentemente), como parceiro minoritário do consórcio, que emprestou o dinheiro para a compra dos submarinos. Esta informação foi divulgada na semana passada pelo jornal português "Público".
O jornal "Expresso", revelou em Março passado que o dinheiro foi dividido pelos accionistas do Grupo Espírito Santo (GES) e ESCOM, depois de ter circulado por várias entidades e países. ESCOM e a sua administração, admitiram abertamente em numa declaração pública,  que "a empresa sempre agiu abertamente para com os seus accionistas sobre o recebimento desses subornos. Tinha que ser assim seguindo as políticas da partilha dos ganhos da empresa. "


No entanto, ninguém do GES ou ESCOM será convidado a explicar esses ganhos, pois a comissão que está investigando o caso, apenas decidiu fechá-la.

2 comentários:

  1. Há sempre um alguém que luta por alguma coisa ,sem que seja beneficiado dela directamente dela.
    Se cada português tivesse a ousadia de por a nu perante UE,, o país de certo modo não estaria tão "doente".

    José Guimarães

    ResponderEliminar
  2. O problema e' que ha' sempre alguem que tem amigo, que tem um amigo, que esta' envolvido em alguma coisa ma', desonesta. E como nao se denuncia um amigo, a podridao impera numa sociedade . Podem lava-la com tanto champanhe que quiserem, continua suja. Ha' uma incorrecao no texto, quando diz que Durao Barroso ja' nao e' presidente da EU. Nas que diferwnca faz? Que fez ele para combater a corrupcao e o enriquecimento ilicito nos Estados membros? Sobretudo o seu pais de origem.. nao foi a Justica que teve uma reducao no orcamento. Portugal esta' mesmo a mudar, por vontade propria!!!

    ResponderEliminar