08/06/2014

PS: sucessão




O PS está em polvorosa e numa luta que não terá fim depois da disputa António Costa e António José Seguro.  Os portugueses assistem impávidos e serenos, a normas processuais, intrigas e do que há de pior dentro do funcionamento de um partido. A questão de António Costa avançar agora e não antes , deve-se a que estamos muito próximo das legislativas de 2015 e ter percebido que não seria o escolhido para candidato a presidente da República. O escolhido do PS , depois da disponibilidade aparente de António Guterres, é o candidato mais verosímil. Por outro lado, Seguro acha que fez o caminho mais difícil, fazer oposição durante três anos, blindou o PS a qualquer veleidade de alguém querer o seu lugar e acha-se no direito de ser ele o líder do partido e candidato a primeiro-ministro. Venceu duas eleições seguidas : autárquicas e europeias. Porém não convence ninguém.

Todo este alvoroço e questões na vida interna do PS foi a melhor coisa que poderia ter acontecido ao governo. Mas mais uma vez, as coisas que parecem perdidas ( mais uma eleição perdida e com derrota histórica) , por um passo mágico torna-se possível ( o PS não aproveitou a deixa e virou-se para dentro) , contudo volta a estar periclitante ( o TC deu uma ajuda de novo ao PS).O governo assiste a tudo isto em semi-silêncio e com reacção mínima.

Os portugueses preferem António Costa a António José Seguro mas não estamos numa  eleição nacional. E se Seguro vence Costa? Eleger um candidato com um partido débil e dividido é começar a casa pelo telhado. O PS não pode tentar somente capitalizar votos pela contestação e indignação.

António Costa pode vencer. Porém traz consigo muito do que foi José Sócrates.

O PS não pode pensar que é o único portador privilegiado de soluções e alternativas. No futuro pode haver possibilidade de um governo com um primeiro-ministro independente e os portugueses votarem noutras forças políticas.

JJ 

4 comentários:

  1. Caro Sr JJ

    A nossa condenação de país no esgoto vai continuar sem solução.
    Temos que aguentar esta gente? Não há ninguém que se apresente para mudar o rumo que pelos vistos vai continuar com esta tralha que não nos larga??
    Coitado deste país. Os anteriores a este regime devem estar com vontade de sair dos túmulos e vir correr com esta tralha daqui para fora.
    Parabéns pelo seu texto.

    Carlos Gonçalves

    ResponderEliminar
  2. " Portugal não tem partidos de direita , de esquerda, de nada.
    Tem um bando de salafrários que se reúne para roubar, juntos"

    ( José Saramago)

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar
  3. António Costa tem experiência e até aqui inspirava confiança, ao contrário de Seguro.
    Costa foi feline ao apresentar-se como candidato a lider do PS de frangalhos, como diz JJ e bem.
    No entanto, ao trazer, inexplicavelmente a tralha socratista deitou tudo a perder.

    Pelo menos já encontrou milhares de pessoas a aboninarem esta posição irrefletida.

    Adeus António Costa. Podes ganhar a liderança do PS, mas com essa companhia, duvido que venças as eleições legislativas. Só se o PSD for muito burro. Alias, põe burro nisso.


    Mário Russo

    ResponderEliminar