09/06/2014

O ORGULHO BESTA DO (St.º) ANTÓNIO DE LISBOA




Hercília Oliveira 
A coisa que mais me tira do sério nos safados dos políticos que temos, é a forma como nos tratam: como que sejamos bocós sem o mínimo de cabecinha para pensar.
Eu sei, que têm alguns motivos para que pensem isso mesmo, pois andam há décadas tratando-nos como tal e no entanto sempre conseguem o seu objectivo. Mas numa altura em que a abstenção vem atingindo os números que sabemos, mostrando com isso  que a descredibilização deles está bem patente e a revolta é cada vez maior, continuar com o mesmo tipo de conduta..., das duas uma: ou são detentores do mais elevado grau de estupidez, ou então ainda não entenderam que o país mudou a vários níveis e no conceito que têm deles e acham que tudo está na mesma; o que também não abona no grau de inteligência.
Tudo isto, para dizer que ouvir António Costa dizer que tem orgulho em Sócrates, o maior Abutre que este país algum dia conheceu..., é um insulto a todos os que não são PARVOS nem BESTAS!!!
Será que estamos condenados a levar com este tipo de gente durante mais 40 anos!!??
Será que ainda haverá quem vá escolher a mesma casta esperançado em mudança?
Por mim..., depois de conhecer o orgulho besta que António Costa assumiu publicamente por uma M...A destas, ele só serve para papel higiénico ou um qualquer jornal que sirva para o mesmo efeito e não para PM.

5 comentários:

  1. Cara Hercília,
    Somos!!! ou temos a conotação!!! de ser um povo de "brandos costumes" desde há muitos séculos.«Nunca o povo se rebelou como um todo. Nunca os portugueses se atiraram para as ruas, de espadas e vara-paus, de espingardas e metralhadoras. Nunca. Sempre foram conduzidos por tramas palacianas, pronunciamentos militares, golpes de Estado.»

    Alguém que entenda da Constituição da Republica Portuguesa como um Bispo entende da Bíblia, que faça notas e esteja atento onde todos os Governos, desde a constituição da mesma, encontre acções anti-constitucionais do tão alegado interesse publico.

    Basta começar por:

    Artigo 2.º Estado de direito democrático

    A República Portuguesa é um Estado de direito democrático, baseado na soberania popular, no pluralismo de expressão e organização política democráticas, no respeito e na garantia de efectivação dos direitos e liberdades fundamentais e na separação e interdependência de poderes, visando a realização da democracia económica, social e cultural e o APROFUNDAMENTO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA. ( significa a possibilidade de intervenção directa dos cidadãos nos procedimentos de tomada de decisão e de controlo do exercício do Poder...não apenas periodicamente nas eleições...)

    Dou-lhe um PEQUENO exemplo do parecer que os cidadãos expressaram a sua opinião à assembleia, através de uma ferramenta legitima e caiu em saco roto.

    Petição Pública: Recusamos a presença de José Sócrates como comentador da RTP
    "Nós, cidadãos e contribuintes portugueses, declaramos por este meio, que recusamos a presença do Ex-Primeiro Ministro José Sócrates em qualquer programa da RTP, televisão essa que é paga com dinheiros públicos dos contribuintes que sofrem do resultado da má gestão deste senhor. Recusamos liminarmente o branqueamento das acções deste senhor através da TV dos actos de despesismo e gestão danosa, que fez com este país andasse para trás, e não para a frente." ou seja "Na iniciativa, os subscritores dizem recusar a presença do primeiro-ministro na RTP, por ser paga com o dinheiro dos contribuintes, e por considerarem que houve "gestão danosa" por parte de José Sócrates no exercício do cargo"
    Sendo a RTP uma estação publica, para a qual nós todos pagamos uma taxa, como podemos fazer valer a opinião publica? Que "ferramentas" podemos usar e que não sejam anti-constitucionais ? Como podemos APROFUNDAR A DEMOCRACIA PARTICIPATIVA ??

    Eu assinei a petição, mas como caiu em saco roto, só me restou não sintonizar o Telejornal da RTP sempre que aparece o dito cujo.

    Contudo, prefiro ainda pensar que as consciências adormecidas, acordem e se elevarão em uníssono.

    Hercilia, continue, não deixaremos que subestimem a nossa inteligência, porque nós ainda nos mantemos acordados.


    Isabel Coutinho

    ResponderEliminar
  2. Minhas Senhoras: uma coisa é recusar o antigo PM, José Sócrates, eu também o abomino. Outra coisa é fazer à conta disto a apologia de Salazar, que os portugueses odiaram. Temos que ser inteligentes e sérios.

    RSilva

    ResponderEliminar
  3. António Costa não devia colar-se a Sócrates, porque não precisava. Nem sequer era por ele, mas pela alternativa que Portugal precisa. Com esta attitude António Costa cravou um prego no seu caixão.

    Abraço

    Mário Russo

    ResponderEliminar
  4. Obrigada Isabel, pelas suas palavras de incentivo.
    Embora o falar e mostrar a nossa revolta, não tenha o efeito que julgaríamos que teria e que sempre me acalentava..., pelo menos desabafamos!
    É que até isso nos tiraram...!??
    Sempre ouvi dizer ( e ainda há quem venha com esse argumento volta e meia...) que era muito bom o que tínhamos porque podemos "FALAR".
    Ora, quando comecei a ver o rumo que o país levava, a falta de vergonha desta gente, e a sociedade ficando vazia de tudo o que realmente faz com que se goste de nela viver, e que o "FALAR" tem o mesmo efeito ao de estar calada..., então, o "FALAR" é só um engodo que ainda me faz revoltar mais!
    Preferia estar calada por ter muito menos motivos para me revoltar.
    Mas ainda há muitos que acham que vivemos em democracia....

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar
  5. A Sra. D. Isabel Coutinho tem ideia do que aconteceu em 1846 no Minho? O que acha que aconteceu na Revolta de Maria da Fonte? Sabe certamente que terminou numa guerra civil de quase um ano com feridos, mortos e danos patrimoniais enormes... Certamente que não uma marcha pela Avenida da Liberdade, como agora está na moda os "funcionalistas públicos" fazerem quando sentem os seus "direitos adquiridos" atacados...
    E houve outras revoltas de cariz popular e não "palaciano"... Isso do povo manso e cordato é lá para a Capital do Império, onde há dois séculos que os que iniciam revoluções usam avental e são jacobinos...

    PT

    ResponderEliminar