06/10/2017

A CIDADE INTELIGENTE



António Fernandes 
A cidade inteligente é um conceito de gestão criativa de uma cidade sustentável em todas as suas vertentes com a intervenção participativa dos seus cidadãos em interação com conexões a servidores de tratamento de dados com informação precisa de resposta imediata a todas as solicitações individuais e coletivas solicitadas pelos seus cidadãos.
A designação “Smart Cities “ vulgarizou-se como sendo o modelo das cidades do futuro.
Um futuro em que, os proponentes deste modelo de organização social das cidades, presumem haver uma cidadania robotizado sem a função autónoma do discernimento ativa e a inteligência Humana condicionada em sintonia com a automatização dos procedimentos sociais desde os mais eruditos aos mais vulgares.
Um futuro em que toda a espiral da organização social cairá ultrapassada pelo avanço das tecnologias que assumirão um papel determinante na ocupação dessa função governativa.
Este aligeirado conceito daquilo que é o Ser Humano e as suas capacidades intrínsecas tem sustentação na formatação intelectual corrente para um modelo social de preservação de domínios que não sendo possíveis pela via da relação social se pretende que o venham a ser pela via da estandardização coletiva e seletiva em que os centros nevrálgico de controlo sensorial através dos feixes elétricos interativos existentes obedeçam ao controlo de memórias artificiais alojadas em “nuvens” de capacidade ilimitada mas de manuseamento distinto.
A cidade inteligente, tem paradigmas distintos para os seus diversos teóricos consoante as capacidades visionárias de cada um porque na vertente exequível encontram uma barreira de outras especialidades como o são a engenharia civil e a arquitetura nas diversas variantes que olham o existente e o novo de uma forma autónoma em que o equilíbrio racional é o razoável e a completa transformação de um determinado espaço com recurso à implementação de memória artificial no funcionamento homogéneo de todo o edificado: a casa inteligente; as diversas redes de distribuição publica desde a agua para consumo doméstico às vias rodoviárias e a sua sinalização diversa, a deslocação das pessoas para as suas lides; uma panóplia de serviços privados e públicos; numa realidade de vida em que cada individuo tem a sua identidade especifica e que dentro dessa identidade se conjugam equações autonomamente.
Se para o tecnocrata aquilo a que chamamos intuição Humana não existe porque é algo passivo e moldável.
Para a ciência política essa intuição é o cerne do desenvolvimento das civilizações.
Por sua vez, para os técnicos da construção, racional e física do edificado de que o Homem se hão-de servir, no âmbito desse conceito de desenvolvimento em que a organização urbana é imprescindível, fazendo inclusive parte integrante do conceito, a forma de pensar o presente e o futuro das cidades é completamente diferente.
Neste contexto temos interesses de disputa pelo poder diferentes no centro da discussão política, conforme o anteriormente exposto.
E temos também, conceções técnicas completamente diferentes: a engenharia de sistemas avançados: a arquitetura: a engenharia civil e todas as outras relacionadas com o setor.
No epicentro desta complexa questão temos um estádio de desenvolvimento social, em que a longevidade alcançada tem relevância determinante, porque coloca na cidade um leque de conceitos e de conhecimento dispares na justa medida em que um cidadão com uma centena de anos não olha a cidade nos moldes em que uma criança a frequentar o ensino secundário a olha. Nem tão pouco as gerações intermédias a pensam unanimemente.
Condição que coloca um problema transversal aos processadores existentes que é o de uniformizar as necessidades, os usos e os costumes, vilipendiando a História e a inteligência do individuo.
Assim sendo, é de bom senso deduzir que a solução para as cidades, no futuro, será a de que os Homens seguirão o seu curso de vida de acordo com os tempos, as tecnologias por si criadas, os equipamentos, o edificado e outros, em permanente mutação de ajustamento à realidade com que se for defrontando até porque não é consentânea a ideia de que as concentração das populações em grandes cidades será a solução para o futuro num tempo em que o reordenamento dos territórios está na agenda do dia com particular atenção para, numa primeira fase travar a desertificação do interior e numa segunda fase criar condições políticas e sociais para que esse mesmo interior seja repovoado.
Com certeza de que, as novas tecnologias, trarão soluções novas e com maior eficiência em todas as vertentes. Sempre ao serviço da Humanidade.
As tecnologias são, um recurso com matriz natural, de que o Homem se serve para sua comodidade e qualidade de vida. Por isso as cria!

Sem comentários:

Enviar um comentário