08/09/2017

Os partidos e as pessoas




António Fernandes 
Quando um partido político não é próximo das pessoa e faz questão em mostrar aos seus militantes, anónimos no sentido abstracto do termo porque ao preencherem a ficha de inscrição esse anonimato não existe, mas que, para além dessa formalidade, a sua participação é dispensada,   essa sua forma de estar na política sem o calor humano que devia ser a sua seiva, não é, nem na essência e muito menos no conteúdo, um verdadeiro partido político.
Não representa interesse coletivo e por isso, não cumpre os requisitos legais que os seus estatutos e outros documentos internos impõe.
Um partido político não é um banco de voluntariado que dispõe de uma listagem de voluntários disponíveis para tarefas de serviço gracioso à comunidade, só quando tal é necessário, a quem se manda um email ou uma SMS a solicitar os seus serviços.
Assim como não é um grupo de amigos ou de antigos colegas de curso ou qualquer coisa do género.
Um partido político é algo de muito diferente.
É uma organização que é socialmente formada para a discussão e resolução dos diversos temas que envolvem: problemas e soluções sociais; ambientais; recursos; e demais matérias do interesse para a vida e do seu equilíbrio nomeadamente na componente do modelo de organização política que os seus associados/militantes defendem como sendo o modelo político que melhor lhes assegura as condições de vida porque lutam.
Confrontados com este novo modelo de partido político que se perfila no quotidiano, o cidadão repensa a sua forma de se organizar politicamente e questiona:
- Os partidos existem para defender os interesses das comunidades ou para defender interesses individuais ou cartelizados?
Aquilo que transcende os "muros" de algumas dessas organizações é o resultado das políticas que implementam nuns casos e, a evidência da conduta na grande maioria dos casos restantes que se constata.
Tudo o mais, é retórica repetida do irreal como sendo o real.
Daí que seja corrente aparecerem movimentos de cidadãos que se dizem independentes de vínculo partidário e movimentações de militantes políticos em defesa da refundação das organizações políticas a que estão vinculados.

Obviamente de que o atual problema é bem mais profundo do que a ligeireza com que é abordado por quem mais não aspira do que organizar a sua vida e, por arrastamento, a dos que lhe seguem atrás e, o resto é paisagem.

Sem comentários:

Enviar um comentário