06/08/2017

Opinião de Joaquim Jorge no Jornal É Noticia



A política, no Verão tirando o incêndio de Pedrógão, outros incêndios, o roubo em Tancos e as demissões dos secretários de Estado pelas viagens da Galp, segue o habitual neste país de hábitos e seguidismo – não se passa nada –, toda a gente quer ir de férias tenha ou não dinheiro para gastar, depois logo se vê, vive-se de aparências volúveis permitindo o clímax momentâneo.

Mais tarde é a ressaca de ter de pagar as contas do cartão de crédito. Sonhar, festas, ir aos locais in, procurar aparecer nas revistas cor-de-rosa, mas são sempre as mesmas caras, é a silly season. Ainda não percebi porque é que os portugueses vão todos de férias em Agosto? Há muito mais gente, são muito mal atendidos, é muito mais caro – a qualidade da estadia e de vida muito pior. Os portugueses adoram fazer o que todos fazem, assim são normais, vêem gente e são vistos. Os políticos não fogem à regra. António Costa já foi de férias para Palma de Maiorca e a sua ausência deu em controvérsia. Pedro Passos Coelho costuma ir para a Manta Rota.

Este ano não fugirá da norma, continua a sentir-se a crise, mas muito menos, com António Costa. As férias deste ano existem, mas de cinto um pouco mais folgado. Porém, quem pode fará o habitual: primeira quinzena de Agosto para o Algarve e a segunda quinzena para o Norte. Todavia, sinal do tempo e da crise, muita gente não irá de férias e ficará por cá – Porto ou na sua cidade. As pessoas têm cada vez menos dias para as suas férias e menos dinheiro para gastar. Mas pode-se ver as coisas por outra perspectiva. Agosto na cidade é do melhor, menos gente, menos filas, dá para estacionar o carro, etc..

Nas férias e principalmente neste mês de Agosto em que o país, não sei porquê pára, é propício a ter tempo para reflectir sobre a informação que nos chega, tempo para estudá-la, para remoê-la sem pressa e para tirar conclusões.

No fundo, temos tempo para percebermos «o que é que se está a passar», por paradoxo, nesta época em que não se passa nada. Tirando praia, lazer, festas ou incêndios, tudo o resto é insignificante.

Há pessoas, como eu, que não conseguem desligar-se nem desconectar-se. Dá que pensar! Mesmo depois do incêndio de Pedrógão Grande, o assalto a Tancos e a demissão dos secretários de Estado. O PS voltou a subir nas intenções de voto, de acordo com uma sondagem realizada pela Eurosondagem para o jornal Expresso e a SIC. Preocupante para Pedro Passos Coelho e para o PSD. Ignorar o que se está a passar é leviano e pode levar a que o PS tenha uma maioria absoluta. O PSD tem de mudar de rumo e de estilo.

Não é fácil, nem possível, abstrair-se mesmo em férias, prescindir da informação, saber o que se passa a nível político e desportivo. É a curiosidade crónica, viciante e o desejo irrefreável de saber notícias. Neymar é o maior, já está no PSG por 222 milhões de euros!

Estou cansado de política e de broncas, da dialéctica Pedro Passos Coelho e António Costa, governo e oposição, esquerda e direita, autárquicas e candidatos, estatismo e movimento, mudar e manter este estado de coisas. No fundo entre a realidade e o desejo.

Vou tentar descansar e não querer estar tão informado, como ao longo do ano, só não sei se vou conseguir. Vou tentar viver intensamente estas férias como se fossem as últimas, como diz Antoine de Saint-Exupéry, «viva o hoje, pois o ontem já se foi e o amanhã talvez não venha».

Jornal É Noticia

1 comentário:

  1. Na verdade é um cansaço sentido por muita gente na qual eu me incluo.
    Tento também me ir alheando um pouco mas não é fácil.
    E, entretanto, vamos desperdiçando muito do tempo precioso que a vida nos dá, com toda esta cambada que está onde quer, como quer e tira disso partido ao máximo, e em que nós somos tratados como lixo que nem serve para reciclar!
    Por tudo isto e muito mais, é que eu acho que o 25 de Abril hoje em dia só é defendido e bem amado, por toda esta cambada que se apossou do país e o tem sugado até ao osso.

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar