05/07/2017

UM FANTASMA ENTRE ESQUELETOS…




António Fernandes
Da penumbra que, diz o edil, invadiu Braga durante a quase totalidade de anos de vida que tem, emergiu, findos esses anos todos, um fantasma que assombrou os seus quatro anos de mandato ao ponto de o deixar de tal forma amedrontado que, horrorizado com a claridade encontrada, nada fez.
E, como se não bastasse nada ter feito daquilo que prometeu fazer, ainda conseguiu, através da penumbra, vislumbrar uns quantos esqueletos resultantes de um imaginário fértil em terror, mas pouco criativo para convencer os bracarenses a votarem nele de forma a conseguir destronar o "tirano" de então em processo eleitoral democrático e viu, pese a penumbra que disse estar instalada, as freguesias governadas por parceiros políticos crescer em pé de igualdade com todas as outras freguesias. Coisa que não soube sequer imitar.
Na Câmara Municipal de Braga, ao que parece, quem presidiu durante os últimos quatro anos, pelo que se depreende do resumo do discurso de apresentação do candidato pela Coligação “Juntos por Braga” à presidência do município, foram os fantasmas de uns certos esqueletos que nunca foram encontrados porque segundo aquilo que disse: “O legado deste mandato é mais um orçamento para gerir do que faturas para pagar”. Dito isto… fica tudo dito. Um discurso que espremido não deixa pinga de sumo pondo à prova a capacidade improvisadora dos escreventes dos jornais locais e outros.
Sobra uma outra metáfora: “Braga rasgou a escuridão”. Sem que se saiba se Braga vai rasgar a escuridão em que esteve mergulhada nos últimos quatro anos.
Falta ainda apurar se a escuridão referida pelo edil Ricardo Rio é sua ou dos bracarenses que votaram em mesquita Machado durante trinta e sete anos consecutivamente.
O que deixa uma duvida séria sobre em que penumbra o candidato terá andado mergulhado uma vez que viu o seu rival de então atingir o limite de mandatos entretanto introduzido em forma de Lei sem nunca perder uma eleição que com ele, Ricardo Rio, disputou.
Só quando esse candidato não foi a votos é que a luz se lhe acendeu?
No discurso de apresentação que fez, ficou a ideia de que anunciou um inicio de ciclo que, presume-se, não terá iniciado em tempo útil, no ano de 2013, porque foi ele, Ricardo Rio, quem ganhou as eleições e não um fantasma qualquer. Ou terão sido os fantasmas da casa a gerir as politicas correntes?
Em abono da verdade, assim parece ter acontecido.
Sabemos que andou atrás de uns esqueletos sem que se saiba com clareza de quem e também sabemos que a imagem que encheu paginas de jornal como sendo a do presidente da Câmara Municipal de Braga era a sua e não a do citado fantasma.
Assim como sabemos que o atual edil nos deixa a cidade pior do que quando a recebeu. Com, ou sem fantasmas!

Sem comentários:

Enviar um comentário