12/07/2017

Os partidos políticos têm futuro?



António Fernandes 
Um partido politico deve ser um partido de diálogo sob pena de se afastar da sua base social de apoio, da cidadania e do eleitorado, que são a essência da sua existência.
Um partido politico não pode ser uma organização monocórdica em que o monólogo é conduta e o não uso dos mecanismos de discussão uma pratica recorrente que não facilita a inclusão dos seus associados na discussão das matérias comuns e do interesse público que retira a toda a documentação produzida legitimidade identitária por do seu substrato não se concluir haver consistência ou robustez apuradas, e por isso não representativa do interesse dos seus militantes e simpatizantes e demais populares que nesse partido se revêem e cujos interesses o partido diz defender.
Os agentes políticos tendem a ter, ao nível do comportamento individual, como avessa ao protagonismo e à fama que segundo eles é condição primeira para a conquista de um lugar de destaque na organização de forma a ocupar posição de destaque que motive a sua inclusão em lista com lugar elegível, conduta sobranceira de forma a anular os pares com capacidade superior.
Esta forma de estar na vida que não é exclusiva dos agentes políticos. Resulta de um programa curricular formativo altamente negativo desde o pré-primário, ou pré-escolar, naquilo que concerne aos valores sociais que coloca em plano subalterno o primado da solidariedade, privilegiando a competitividade sem regras e a ambição desmedida.
Desta forma, os padrões de formatação social aparecem inquinados com valores variáveis consoante as regras ministradas, que não são aquelas que pugnam por uma sociedade mais justa por ser mais equitativa e solidária.

É corrente pensar-se que a educação é algo avulso influenciado por condições e circunstancias especificas.
O que é facto é que há sensibilidades divergentes dos meios de que são oriundas em que o meio e a influência dos media é a mesma. Assim como, também se apura haver equilíbrio emotivo e emocional em oriundos de famílias disfuncionais. Sendo o contrário também apurado.
Importa por isso, mais do que apurar as causas, prevenir as consequências.
Ora, os partidos políticos, agregadores de um vasto leque de sensibilidades convergentes, organizados em torno de valores ideológicos gerais, são a garantia de que, sendo fieis aos seus princípios fundacionais, no quadro da sua vocação legal do exercício do poder politico, terão sempre em linha de conta esses princípios que lhes são argumento para a defesa dos interesses das citadas sensibilidades convergentes.
Para isso tona-se necessário a existência de diálogo permanente de conteúdo interativo agregador das grandes linhas gerais do interesse comum exarado e concretizado politicamente. No poder ou na oposição.
A organização politica das sociedades tem tido ao longo da história diversos formatos. Desde os mais sanguinários aos mais altruístas. Sendo que, na fase de transição do feudalismo para a era industrial, a profunda alteração nos usos e costumes das pessoas e das suas condições de vida dá origem à criação de condições especificas de que resultam correntes de opinião politica diferente e organizada que acabaria por se impor como modelo de organização politica e social dando origem a movimentos políticos de cariz ideológico e com vocação exclusiva para a discussão do poder.

No final do séc. XX com a inovação tecnológica e a consequente alteração nos usos e costumes sociais, os partidos políticos enfrentam um embate de ajustamento a essa realidade, mas a sua razão de ser não é beliscada, antes pelo contrário, é reforçada, em consequência das novas conjunturas politicas e sociais emergentes que exigem resposta eficaz.
Não há, por isso, espaço para experimentalismos de ocasião nem sequer para vazios de poder ou de coordenação estrutural convergente ou divergente.
Aquilo que há, é uma maior exigência na qualidade da governação em geral, o que torna, neste estádio e momento histórico, os partidos políticos imprescindíveis para o aprofundar da inovação global e da distribuição do produto liquido apurado.

Neste contexto os partidos políticos têm condições sustentadas para continuarem a ser a coluna vertebral da democracia.

Sem comentários:

Enviar um comentário