02/06/2017

José Ramos Horta – um verdadeiro Pensador e Humanista




Mário Russo
O Clube dos Pensadores não poderia almejar melhor maneira de se internacionalizar nos debates que a presença do Prémio Nobel José Ramos Horta, uma personalidade extraordinária, combatente pela liberdade de Timor, que foi “tudo” no seu país, desde Ministro dos Negócios Estrangeiros, a Primeiro-Ministro e Presidente da Republica. Exerce atualmente um mandato especial do Secretário-Geral das Nações Unidas.
Ramos - Horta 
De facto foi uma honra o Clube receber tão grada personalidade que transpira tranquilidade e paz. Joaquim Jorge, o Tio Joaquim, como se diz carinhosamente em Timor a pessoas respeitosas, está de parabéns por nos ter brindado com este convidado.
Ramos-Horta discorreu sobre a recente história de Timor, as dificuldades do período de independência, da transição com 2 anos de mandato da ONU, com Sérgio de Melo, o Alto-Comissário da ONU para o Território, que Ramos Horta achou ser pouco tempo para um país a renascer das cinzas, mas que acabou por ser vencido na ONU e por colegas seus que tinam pressa em tomar as rédeas do poder, mesmo prematuramente, como era sua convicção que ainda é atual. Também falou dos desafios enfrentados, pressões económicas, a questão do petróleo e do café no território e das grandes transformações entretanto ocorridas.
Aos que são pessimistas quanto à língua portuguesa, Ramos Horta contrapõe com números insofismáveis. Quando o país era administrado pela potência colonial, Portugal, a percentagem de falantes era baixa, inferior a 10%, e depois teve a agravante de ter um período muito longo, de mais de 25 anos em que a língua portuguesa foi obliterada pelo regime Indonésio, reduzindo a menos de 5% de falantes quando se dá a revolução do processo que leva à independência. Dados de 2010 indicavam que mais de 23% já dominavam o português e a aposta continua em reforçar o ensino com a ajuda de Portugal. Realçou o facto da língua local, o tétum ter cerca de 80% de palavras oriundas do português, fenómeno que se vem acentuando ao longo dos anos, que mostra a interpenetração da língua e a sua evolução.
Hoje o país está em pleno processo de desenvolvimento, com obras de infraestruturas por todo o país que o próprio convidado se admira quando lá vai, uma vez que nos últimos 5 anos tem andado em constantes missões (apagar fogos em regiões complexas), emprestando toda a sua imensa experiência sociopolítica e generosidade.
O país está a consolidar o sistema democrático e está estável, razão porque não aparece nos mass media, que só noticiam catástrofes ou eventos negativos dos diversos países, pelo que o facto de Timor não aparecer é sinal de que as coisas estão a correr normalmente e bem.
Também falou da corrupção, um mal endémico das atuais sociedades, que está a ser combatido, não negando que ela exista, mas nada comparável ao que se tem assistido em outros países, mas que é preocupação dos dirigentes. Também respondeu sem hesitações ao facto de não se ter candidato à Presidência da Republica, porque poderia fazê-lo, e pelo facto do ser grande prestígio. Ramos Horta disse que o momento atual do país é estável e não existe nenhum perigo que possa sobressaltar-lhe a consciência de ter de cumprir um dever para com o país e nem se sentiria bem em disputar o lugar com o candidato que esteve nas montanhas no combate ao inimigo Francisco Guterres Lu-Olo e considera uma pessoa de bem  e que fará o seu trabalho com dignidade.
A evolução do país tem sido tranquila e sustentável, sendo um país que mostra evidentes progressos no Índice de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas, que mede melhor que as taxas de crescimento do PIB, que não refletem o que de facto chega a atingir as pessoas, revelando progressos e que coloca o país à frente de países africanos subsarianos, com exceção da África do Sul e mesmo na sua região, está à frete de muitos países asiáticos.
O Plano Estratégico de Desenvolvimento 2011-2030 foi referido por Ramos Horta como corolário dessa estratégia que o país enveredou nos últimos anos e cujo objetivo em 2030 é o país atingir o patamar de desenvolvimento desejado com o compromisso de ser observado pelos governantes, independentemente de quem for o protagonista político com a responsabilidade de governar, ou seja, é transversal aos políticos.
O debate foi muito concorrido e participado porque Ramos Horta inspira grande tranquilidade, muito afável e um grande contador de histórias. Todos queriam ouvir mais e mais histórias e não fora o tempo limitado da sessão, poderíamos estar ali horas sem fim em agradável conversa com um Homem Excecional. Uma noite memorável no Clube dos Pensadores, convivendo com um verdadeiro Pensador Galático.

4 comentários:

  1. Foi um momento histórico e único, muito bem organizado e à altura de uma circunstância tão especial. Obrigada pela atenção de me terem permitido participar. "Uma noite memorável no Clube dos Pensadores, convivendo com um verdadeiro Pensador Galático", um Ser Humano excecional, José Ramos-Horta.

    ResponderEliminar
  2. ..."convivendo com um verdadeiro Pensador Galático."

    Mas que grande GALÁTIGO ...

    ResponderEliminar

  3. Este Cisfranco que é um nickname Chama.se Francisco que uma vez há vários anos nos disse que receava ter problemas no emprego por expressar a sua opinião.

    Só vem aqui dizer mal . Nota-se que destila inveja em tudo relacionado com o Clube. Neste espaço aceita-se as criticas com parcimônia e com razão de ser.

    Todavia alguém que só sabe criticar, em vez, de ora elogiar, ora abster-se ora criticar . Neste espaço é persona non grata e uma pessoa desprezível.

    O Clube não precisa de defender Mário Russo uma figura deste Clube e que muito tem contribuído para o seu engrandecimento.

    Mas pensamos que ao dizer que Ramos-Horta é um Pensador Galáctico isto é um pensador à escala mundial, dos melhores que existem.

    Obrigado

    ResponderEliminar
  4. Há homens que se medem aos pálmos.
    O José RAMOS HORTA, não pertênce a essa estirpe. Se o Mundo ainda existir dentro de mil anos, estudar-se-á a História do MARAVILHOSO PAIS DO SÂNDALO e obrigatóriamente falar-se-á de José RAMOS HORTA ( e para quem quizer aprofundar), da sua passagem em 01.06.17 do Ano de Nosso Senhor, no CdPensadores...!

    ResponderEliminar