30/05/2017

GOVERNO PS vs. GOVERNO PSD





Passa a ideia que o anterior governo PSD é o vilão e o bom é este governo PS. Convém esclarecer tudo isto para as coisas ficarem no devido lugar


António Costa, recentemente, num almoço com fundadores do PS - que assinalou os 44 anos da criação do PS, em 1973, na Alemanha -, salientou que o actual governo acabou com o chamado arco da governação  como conseguiu  derrubar o último resquício do muro de Berlim.

Este governo demonstra que é possível trabalhar com outros partidos da esquerda. O PS tem procurado melhorar a vida dos portugueses, encurtar um pouco as injustiças.

O PS está em alta mas não nos podemos esquecer que quem tirou o país da bancarrota foi o PSD com o CDS. Por vezes em política a falta de memória atraiçoa-nos e há tendência para que tudo que está para trás não conta.

Os portugueses devem muito a Pedro Passos Coelho, houve um pequeno grande senão, tentar ir mais além do que a troika. Isso notou-se na austeridade férrea sobre os portugueses.

Mas, mesmo assim, com tantas medidas impopulares, os portugueses deram-lhe a vitória: o PSD em 2015 venceu as eleições legislativas e teve o maior número de deputados 89, ao invés o PS teve 86.

António Costa ao perder as eleições e, depois de alguns problemas internos pela sucessão, com António José Seguro, procurou um acordo à esquerda, como única saída para a sua sobrevivência política. De outro modo, duraria pouco tempo na oposição.

A sua arte e engenho foi arquitectar um plano do PS com o BE e o PCP. Isso está a funcionar para o país e para a liderança do PS.

Com isto, não tiro mérito ao actual governo que criou um ambiente distendido e de melhoria de confiança nos portugueses.

Mas convém pensar que os problemas existem e estão lá: défice; dívida pública; etc. Não desaparecerem por obra e graça do Espírito Santo.

Seria uma desonestidade intelectual, não reconhecer o esforço e a capacidade de tirar o país da bancarrota, levada a cabo pelo governo de Pedro Passos Coelho.

O esquecimento é um fenómeno normal, por vezes, dá jeito. Mas este governo deveria reconhecer o que fez o anterior governo, para agora poder fazer o que faz. Só lhe ficava bem.

Passa a ideia que o anterior governo PSD é o vilão e o bom é este governo PS. Convém esclarecer tudo isto para as coisas ficarem no devido lugar.

Joaquim Jorge 

3 comentários:

  1. O esquecimento será mesmo o maior defeito do português , muitos por conveniência e outros por desinteresse total da vida política .
    Os consecutivos governos de PS/PSD/CDS mostraram a arte de desgovernação , do défice excessivo e contínuos , da mentira, da ocultação , da dívida pública etc etc.
    Ó governo de Passos Coelho foi uma nodoa, pois os famosos cortes no aparelho não existiram , a reformulação do Estado foi uma coisa abstrata , o crescimento da economia deveu-se aos empresários e ao seu esforço . As reformas sobre temas como burocracia e problemas prementes como a sustentabilidade do sistema de pensões foram mais uma vez esquecidos e a medida mais simples que fizeram e a mais fácil de todas , foi aumentar brutalmente os impostos a quem vive do seu trabalho( da igual forma que este governo faz , de forma ainda mais dissimulada ). Não preciso de políticos assim , preciso sim e de acção e ideias para ultrapassar os problemas e não para empurra-los e hipotecar o futuro .
    O défice , dívida pública e reformas continuam por se reduzir e realizar, antes e agora , com ou sem maquiagem .
    Sinceramente não consigo ver nenhuma diferença no desempenho intelectual e político nas cores de assento parlamentar.

    ResponderEliminar
  2. Joaquim Jorge,a ideia que passa é que quer estar bem com Deus e com o Diabo.

    Não se deixe levar pela ambição.

    ResponderEliminar
  3. A sua ambição é o Joaquim Jorge não ser nada. Mas engana-se já o é, há muito tempo. De outro modo o meu caro não o lia

    ResponderEliminar