24/05/2017

DOIS HOMENS, UMA SÓ LUTA, UM SÓ OBJETIVO... (A PROPÓSITO DA PRESENÇA DE RAMOS-HORTA NO CLUBE DOS PENSADORES)





Daniel Braga
E
stávamos a 10 de dezembro de 1996. Um marco e uma referência para a lusofonia. Um dia histórico para Timor-Leste. Em plena luta da resistência pela libertação, dois homens insignes, dois dos artífices da Paz, são laureados pela Academia norueguesa com o respetivo Prémio Nobel. José Ramos-Horta, um incansável lutador na frente diplomática no exterior e D. Carlos Ximenes Belo, então Bispo de Díli e baluarte na defesa dos direitos do seu povo sofredor, veem reconhecidos os seus esforços em prol da consagração e do direito das suas gentes de escolher o seu destino e na defesa dos mais elementares direitos do Homem, o direito à vida, sem perseguições, torturas nem mortes. Um direito consagrado na Carta das Nações e que estava a ser cruelmente violentado em Timor-Leste. Foram ousados e valentes na sua luta, denunciando todos aqueles que matavam, torturavam e perseguiam, muitos delas mulheres e crianças. A 10 de dezembro de 1996 todo o mundo lusófono pulava de alegria perante a atribuição, mais do que justa, do Nobel da Paz a estas duas personalidades timorenses. Um prémio mais do que merecido e que levou a que a comunidade internacional olhasse para os problemas que ocorriam no território, de uma outra forma, muito mais cuidada e incisiva. Cerca de vinte anos depois, um orgulho reconfortante continua intacto nos nossos corações, sabendo nós de antemão que agora, em tempos de Paz, ainda há muito que fazer por Timor e pelas suas populações. A luta não é armada, mas é uma luta de afirmações, pela dignidade, pelo bem-estar e pelo respeito dos direitos de cada um e de todos nós. Timor-Leste, entre muitos outros, deve muito a estes dois homens. E o mundo reconheceu-lhes a resiliência, a tenacidade, o destemor de uma luta sem medos por uma causa.

Sem comentários:

Enviar um comentário