22/05/2017

Clube dos Pensadores internacionaliza-se com José Ramos- Horta



Joaquim Jorge, fundador do Clube dos Pensadores ( CdP), convidou José Ramos-Horta para estar presente, no dia 1 de Junho ( quinta-feira), pelas 21h30 no Hotel Holiday Inn em Gaia.
 O CdP no seu 116.º debate, ao fim de 11 anos consegue o desígnio de ter uma figura de nível internacional nascido num país irmão – Timor-Leste.

Estará presente Nuno Cardoso, antigo presidente da CM Porto.

José Ramos-Horta, Prémio Nobel da Paz, notabilizou-se pelo continuo esforço para terminar com a opressão vigente em Timor-Leste levando o seu país  à independência.  Foi  Ministro de Negócios Estrangeiros de Timor-Leste desde a independência, em 2002. Mais tarde, Presidente da República de Timor-Leste entre 2007 e 2012.
 No dia 20 de Maio fez 15 anos que Timor-Leste se tornou independente e terminou com a ocupação Indonésia, iniciada em 1975, assim como, com os conflitos entre timorenses nacionalistas e outros ligados à Indonésia.O petróleo e o gás estão perto do esgotamento em Timor e a produção de café é escassa. O desemprego ameaça a população, metade da qual é constituída por jovens abaixo dos 17 anos. Os próximos tempos não serão nada fáceis para os timorenses. Portugal não pode esquecer a sua antiga colónia, que ajudou a libertar da opressão Indonésia. O turismo poderá revelar-se uma boa aposta.
 Nos últimos anos tem-se falado pouco, entre nós, de Timor-Leste . Será uma oportunidade para se falar das relações entre Portugal e Timor-Leste , o momento político actual em Timor – Leste, recentemente houve eleições presidenciais em que foi eleito o novo presidente Francisco Guterres Lu-Olo.
 O Clube dos Pensadores já recebeu: o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa; o  Primeiro-Ministro, António Costa; o líder da oposição Pedro Passos Coelho; a líder do CDS , Assunção Cristas; a líder do BE Catarina Martins ; o líder do PCP Jerónimo de Sousa; entre outros.
Sempre que surja uma oportunidade tentará ter presente personalidades dos países lusófonos : Brasil, Cabo-Verde, Guiné- Bissau , Angola e Moçambique.
 Clube dos Pensadores

1 comentário:

  1. Alguém que se bateu com coragem e bravura pela autodeterminação e independência do território. A chamada Frente Diplomática, na qual era um dos rostos mais visíveis e combativos,lutou com todas as armas ao seu alcance para que a luta do povo timorense tivesse a visibilidade merecida, perante os atos atentatórios que se registavam frequentemente em Timor, com massacres contínuos nas aldeias e distritos. Mesmo assim foi necessário que se conhecesse o Massacre do cemitério de Santa cruz em Díli, a 12 de novembro de 1991, para que o mundo acordasse para a verdadeira e cruel dimensão do problema. Com D. Ximenes belo, Mari Alkatiri e outros, com o empenho total de Portugal e outros países aliados conseguiu-se que na ONU a visibilidade do problema fosse notoriamente divulgado e alastrado de modo que a arma da pressão sobre o ocupante indonésio começasse a fazer mossa e fraturas nos mídia e na sociedade indonésia. E aqui começa lentamente a haver uma esperança para a resolução do problema de Timor. Todos estes esforços culminarão com a entrega, a 10 de dezembro de 1996, do Prémio Nobel da Paz a estas duas personalidades (Ramos -Horta e D. Ximenes Belo)e 3 anos mais tarde originasse o referendo de 30 de agosto de 1999, em que o povo timorense escolheu claramente o caminho da independência , com 78,5 % dos votos. A 20 de maio de 2002, Portugal , como potência administrante do território substitui a bandeira portuguesa pela bandeira timorense, culminando assim a restauração da independência de Timor (como se sabe a independência de Timor- leste acontece a 28 de novembro de 1975, com a proclamação unilateral da FRETILIN, tornado-se Francisco Xavier do Amaral o seu primeiro Presidente da República)

    ResponderEliminar