14/04/2017

Esclarecimento



Várias pessoas ligaram -me preocupadas com boatos e esta indecisão. Umas informaram-me que andam a dizer, "que não vou ser escolhido pela distrital".  Outras," que a distrital já tem outro nome para Matosinhos".Outras dizem-me, " de que é que a distrital está à espera para aprovar o nome?"

O que posso dizer como proto-candidato independente à CM Matosinhos: é preciso calma e dar tempo ao tempo. As notícias sobre esta candidatura são normais e só demonstram interesse que suscita o meu nome.

Na minha vida sempre respeitei o acordado com as pessoas. O presidente da concelhia do PSD de Matosinhos, José António Barbosa convidou-me para ser candidato à CM Matosinhos pelo PSD. Convite que me honrou muito e deveras aliciante - poder colocar em prática as minhas ideias - para o bem de Matosinhos.

Numa primeira fase mostrei alguma relutância, mas com os esclarecimentos devidos aceitei o convite e, fiquei imbuído deste espírito de ser o escolhido pelo PSD.

Perante todas as vicissitudes deste processo, em que houve três empates, um voto de qualidade do seu presidente para a minha escolha, e por fim, reconfirmado por voto secreto e por maioria.

Já me passaram muitas coisas pela cabeça: numa primeira fase desistir perante tantas atoardas e bater com a porta, mas logo de seguida ganho ânimo para aguardar e ser um candidato vencedor. Tenho a obrigação de honrar a palavra e o compromisso de quem está comigo dentro do PSD, e não menos importante, quem acredita em mim e me apoia como cidadão ou cidadã de Matosinhos. 

Não conheço nenhum candidato que tenha sido tão atacado e vilipendiado. Uma coisa é certa não tenho problemas com a justiça e tenho os meus impostos em dia. Procuro ser um cidadão exemplar...
Seria muito mais cómodo, ficar no sofá e não me incomodar. Mas para quem faz o Clube dos Pensadores, luta pela mudança na nossa democracia e no funcionamento dos partidos. Tinha a obrigação moral, de aceitar este repto.

Apesar de ataques pessoais, calúnias e difamações respondo com argumentos e razões.
O que ficou acordado pelo presidente da distrital Bragança Fernandes é que não se opunha ao nome Joaquim Jorge, desde que fosse escolhido por voto secreto e maioria. 

Foi isso que aconteceu. Estas afirmações foram divulgadas pelo semanário Expresso e confirmadas à minha pessoa por José António Barbosa. Devemos e temos que acreditar que o PSD é formado por pessoas de bem, que honram a palavra e o compromisso.

Por outro lado, os estatutos do PSD são diferentes de outros partidos como o PS. A concelhia propõe o candidato e a Distrital aprova o candidato sob proposta da concelhia. Lendo os estatutos do PSD em nenhum momento se refere à designação "avocar". Isso é comum no PS, não no PSD.

No PSD as concelhias gozam de mais autonomia neste processo. Por exemplo, em Leiria, Feliciano Barreiras Duarte, chefe de gabinete de Pedro Passos Coelho, era do seu agrado. Todavia foi escolhido Fernando Costa que tinha sido presidente nas Caldas da Rainha. E assim ficou.
Por outro lado, todo este ruído de fundo é normal porque se arrasta há muito tempo. Temos que ver isto pela positiva, nunca se falou tanto do PSD em Matosinhos e, o possível candidato ganhou, ainda mais, notoriedade que pode ser utilizada como uma mais-valia no futuro.
Deixemos que o PSD funcione e decida. Esperemos com serenidade e calma.
Obrigado a todos que se preocupam comigo e desejam a minha candidatura.
Essa decisão compete ao PSD.

Boa Páscoa!

JJ

Sem comentários:

Enviar um comentário