25/12/2016

Mário Soares



António Nunes 
Mário Soares é, incontestavelmente, o pai da Democracia Parlamentar em Portugal, que hoje vivemos. Os contestatários à sua ação política invocarão as suas razões, mas que se trata duma personalidade ímpar na História de Portugal, disso não tenho qualquer dúvida. Nestes momentos limite, em que a sua vida parece estar por um fio, não podia deixar passar este dia sem que o evocasse como Homem, orador exímio e lutador determinado pela causa da Democracia e duma ideia utópica de Socialismo Democrático. Participei em todas as suas Campanhas Eleitorais, quer como Secretário-Geral do PS quer às Presidenciais. Foram muitos anos de participação militante para defender uma causa em que o Socialismo e a Liberdade pudessem coexistir. Quantas vezes de microfone na mão nas campanhas, pelas terras do Distrito de Leiria! Uma utopia, claro está, repito. Mas uma utopia pela qual não me arrependo de ter lutado até à exaustão, em muitos casos... Os anos passam e a minha perceção do rumo que a vida política acabou por levar em Portugal desmotivou-me a partir dos anos 2000. Os homens que se foram alcandorando aos lugares proeminentes da hierarquia partidária acabaram por, mais uma vez, provar à saciedade, que há que mudar o paradigma da organização política da Nação. A Administração do Estado tem sido mal fiscalizada. 
Mário Soares é fixe. Continuará fixe, porque a História não o vai esquecer e, muito menos, denegrir!...

2 comentários:

  1. No dia em que Mário Soares partir para o outro lado, gostaria muito, mas muito mesmo..., de assistir ao encontro entre ele e Sá Carneiro! Como eu gostaria...

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar
  2. Nada contra. A opinião é sua. Cada um terá a sua experiência e a cicatriz com o que o Mário Soares lhe deixou.
    O desprezo que sinto por Mário Soares impede-me de conceder-lhe a honra de expressar aqui ou quem qualquer outro lugar a minha mágoa.
    O verdadeiro julgamento não será feito aqui, mesmo que lhe concedam um lugar no Panteão ou lhe chorem mares de lágrimas.

    ResponderEliminar