23/10/2016

Ajustamento da Economia Portuguesa a quem serviu?



Mário Russo
Portugal foi brindado por um programa de ajustamento financeiro imposto pela Troika, tutelado pela Senhora Merkel e abençoado pela União Europeia, como única forma do país estruturar a sua economia e poder finalmente crescer, criar emprego e bem estar. De facto, é preciso ter as contas em dia, enxutas, para se poder olhar para o futuro com confiança onde os investidores planeiam com tempo e apostam no país, criando empresas, empregos de qualidade e bem-estar. Ora, para que o país tivesse tais contas em dia, foi imposto pela Troika e executado com obediência canina por Passos Coelho, um programa de austeridade e de venda das empresas portuguesas a qualquer preço, porque era dinheiro fresco, dinheiro estrangeiro a entrar no país, que assim deixaria de haver dívidas públicas.
O Governo de Passos Coelho vendeu tudo o que pode. As joias da coroa foram desbaratadas e desmembradas apesar das juras em contrário. Empresas que eram inovadoras e criavam emprego qualificado levando o nome de um Portugal moderno ao mundo estão na mão de estrangeiros: multibanco mais avançado do mundo, televisão digital terrestre europeia, via verde, telefones móveis pré-pagos, rede de fibra ótica, etc.
Empresas como a  Cimpor, uma das mais importantes cimenteiras a nível mundial, foi vendida aos brasileiros da Camargo Correia que juraram mantê-la como era, só que por pouco tempo, porque fizeram o que na altura vozes avisadas disseram, que era o desmantelamento para realizar mais-valias.  A ANA, que geria os aeroportos, tinha de ser vendida porque era dinheiro estrangeiro fresquinho. Foi vendida à francesa Vinci, sem experiência relevante no negócio, tendo vindo para aprender com a experiência portuguesa, está a repatriar milhões de lucros.
A TAP, vendida ao dono da AZUL, companhia aérea brasileira, já subtraiu 3 rotas para o Brasil à TAP, porque não eram rentáveis para a companhia portuguesa, mas para a AZUL, benemérita de Nossa Senhora de Fátima, é rentável. As outras rotas para o Brasil e outras cidades da diáspora serão igualmente a curto prazo desviadas para a AZUL e será “ouro sobre azul” para o brasileiro americano Nielman. A TAP, como se previa, vai transformar-se com o tempo num apêndice tipo Portugália, uma vez mais com as juras de Passos Coelho que era inevitável e única solução, mas que iria continuar a ser companhia de bandeira portuguesa.
A PT, empresa nacional de dimensão multinacional, criadora de produtos inovadores, emprego de qualidade, foi desmantelada por interesses mesquinhos de falsos patriotas, vendendo a jóia brasileira das telecomunicações aos espanhóis e em Portugal tinha de ser vendida a qualquer preço, o que aconteceu ser vendida à francesa de infraestruturas de rede de cabo, Altice, que a transformou numa empresa local que explora os subempreiteiros e vem transformando bons empregos em empregos de subsistência.
A banca, sempre tida como imprescindível para a economia, porque permitia que o dinheiro chegasse às empresas para que estas pudessem crescer, é governada por gente desqualificada para o métier, não passando de bancários, ou boys de ocasião e plantão, que destruíram os bancos que geriam, tendo de ser intervencionados com dinheiro público que justificou a opção pela única solução de serem vendidos a preço de saldo a estrangeiros, que os transformam em abastecedores de caixas multibanco para estrangeiros turistas sacarem umas massas para gastar nas tascas de Lisboa e do Porto, para gáudio dos arautos do crescimento da economia com as políticas de ajustamento. Em vez de banqueiros, os bancários que gerem os bancos, receosos de calotes, e igualmente sem visão, não emprestam dinheiro às empresas com medo dos balanços de incobráveis, e as empresas, descapitalizadas, também não podem crescer, criando-se um círculo vicioso e destrutivo, sem criação de empregos como se queria.
As virtualidades prometidas pela Troika e os seus seguidores internos e externos, estão a léguas de serem verdade, porque não há estratégia nacional nem um road map para o crescimento, rompendo com as políticas europeias de estrangulamento abençoadas pela Alemanha sob o olhar diáfano de uma Comissão Europeia míope e subserviente aos interesses do diretório dos fortes, com os resultados conhecidos.
Portugal caminha a passos largos para o desastre social por falta de estratégia, de valores, de qualidade e de missão, dos políticos que nos vão governando sem visão. Por isso, pede-se um clamor por novas abordagens, que não têm de ser sectárias e destrutivas do que existe, mas de redireccionamento e redefinição dos objetivos do Estado. A gestão seja do que for, ou é boa ou má, não tem nada a ver em ser pública ou privada.
Há setores da economia que são estratégicos e o País não pode ou poderia abdicar deles.
A maior declaração de incompetência política e de gestão é a que sucessivos governos passam a si próprios ao decidirem entregar empresas públicas, muitas delas monopólios naturais, portanto sem concorrência, a privados, com a justificativa de que é a única solução.
Precisamos de romper com o barato que sai caro, que é termos políticos sem qualidades suficientes para nos governar, porque hipocritamente achamos que podemos ter bons gestores com os baixos salários praticados, sempre com a míope visão de que os políticos ganham muito.

2 comentários:

  1. Excelente texto. Claro, assertivo, sem referir questões de direita ou esquerda mas somente de competência ou incompetência...
    Parabéns.

    ResponderEliminar
  2. Alguns políticos ganham muito, porque não valem aquilo que ganham. Andam nessa, porque é o melhor que conseguem: vivem no melhor dos mundos. O sistema permite-o. Pensar o País? Mas o que é isso? E mandam a bola prá frente. Pelo meio lá andam os VERDADEIROS políticos que acabam de levar pela tabela fazendo jus ao aforisma de que pagam os justos pelos pecadores.

    ResponderEliminar