15/10/2016

A importância de ser Guterres



Mário Russo
A eleição de António Guterres para Secretário-Geral da ONU é uma vitória pessoal que honra Portugal e levanta a tradicional baixa estima dos portugueses. Depois da vitória de Portugal no Euro 2016 de futebol e diversas conquistas internacionais desportivas, podemos dizer que este foi o ano de Portugal. Era português o líder da UE por 10 anos. Agora é outro português de exceção que vai estar no topo do mundo. A eleição de Guterres teve todo um conjunto de peripécias dignas de um filme de Orson Wells. 
O descrédito que a classe política tem vindo a sofrer em todo o mundo levou a ONU a adotar pela primeira vez um modelo de escolha do candidato a ser sufragado com transparência e que premiasse o mérito e competência para o cargo, deixando de lado o sistema de rotação e de cotas, justificável em certas circunstâncias  e por tempo determinado, mas que erradamente se generalizou e que é próprio da incapacidade e da mediocridade.
António Guterres em sucessivas e duras sabáticas, venceu todas de modo claro. Os apaniguados das cotas entraram em pânico, pois tinham como adquirido que bastava ser uma mulher e do Leste, independentemente de ser a mais competente ou não, para ser a mais votada nas sabáticas, pelo que correram a decapitar a candidata indicada pelo Governa da Bulgária que não convencia ninguém e tiraram  uma coelha  da cartola, Kristina Giorgieva, da Comissão europeia, com o beneplácito de Juncker e da Sra. Merkel da Alemanha, numa manobra de pura trapaça política, a que se junta um tal de Mário David, um paraquedista que diz estar a trabalhar na candidatura da sua amiga Búlgara há 2 anos, segundo disse num programa da SIC, que os jornalistas hipnotizados engoliram sem questionar. Como podia estar a preparar uma candidatura de alguém que não seria candidata, já que o país tinha indicado outra senhora? Será que Mário David tem bola de cristal e sabia que haveria um golpe palaciano?
Como os políticos de modo geral estão mais sujos do que pau de galinheiro, eu também começava a ficar desiludido com esta fraude perpetrada pela cúpula da UE. Porém, para bem da sanidade política, os 5 países com direito a veto no Conselho de Segurança, reforçaram unanimemente a posição que Guterres já detinha e o resto já se sabe, a eleição de António Guterres, merecida e trabalhada ao longo de uma vida exemplar. A ONU está a precisar de uma profunda reforma e só quem fosse eleito pelo mérito, com o prestígio, capacidade, e competências demonstradas nos campos políticos e da administração e gestão, é que poderá levar a cabo tão ingente tarefa, como é o caso de Guterres, que fez um brilhante trabalho nos últimos 10  anos no Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, num período difícil, sem recursos e com descrédito das Nações Unidas. Um trabalho memorável num período negro da história da humanidade com centenas de milhões de refugiados devido às hediondas guerras travadas, sobretudo em África e Médio Oriente.
Com efeito, a ONU perdeu respeito, não passando de um antro de vaidades e burocracias que replicavam vícios políticos vividos em vários países. Por isso a urgência da reforma e só um líder com legitimidade pode enfrentar esse desafio. Vários líderes mundiais perceberam isso e assim nasceu um modelo transparente que serviu às mil maravilhas ao bem preparado António Guterres, contra o golpe oportunista do vento Leste.
A eleição deste Português brilhante e de exceção vai trazer repercussões em Portugal, não apenas à nossa autoestima ser digna do povo que fez a primeira revolução global e deu ao mundo novos mundos. O quinto Império pode estar a desenhar-se, tais são os sinais das estrelas.
“Triste de quem vive em casa
Contente com o seu lar,
Sem que um sonho, no erguer de asa,
Faça até mais rubra a brasa
Da lareira a abandonar!”
………
“Grécia, Roma, Cristandade,
Europa – os quatro se vão
Para onde vai toda idade.
Quem vem viver a verdade
Que morreu D. Sebastião?”
Fernando Pessoa in Mensagem ( do poema quinto Império)
Durão Barroso teve o topo da Europa a seu pés 10 anos. Agora é António que se habilita a estar 10 anos no topo do Mundo.  São sinais fortes.
Portugal beneficiará com esta eleição de eleição. A começar, as irregulares e às vezes birrentas relações entre Angola e Portugal, vão melhorar para bem de ambos os países, pois Angola tem aspirações regionais e um bom relacionamento com o SG da ONU é fulcral e a falar a mesma língua. Não me espantaria que uma das visitas de Guterres seja a Angola.
Com Guterres, a língua Portuguesa concorre a ser uma das línguas oficiais de trabalho da ONU, cujo valor económico é incomensurável. “A Minha Pátria é a Minha Língua”, proferida por Pessoa, não podia ter maior expressão premonitória.  Certamente uma oportunidade para milhares de falantes da língua Portuguesa demandarem os diversos organismos da ONU, contribuindo para o estabelecimento de redes de contactos cujos resultados serão visíveis nos negócios e na visibilidade de Portugal e dos países de expressão Portuguesa.
É hora de Portugal se preparar estrategicamente para aproveitar esta oportunidade  que a história mais uma vez lhe abre. É a segunda volta dos Descobrimentos Portugueses ao nosso alcance. Começar por se deixar de ter complexos de colonizador e mostrar a outra faceta de um país Global, um império perdido nas brumas da memória que pode ecoar ao virar da esquina se soubermos honrar os antepassados descobridores.  É preciso deixar os complexos de periféricos da Europa, mostrando ao mundo o que fomos e o que somos hoje como país moderno e com ambições legítimas.

Não somos os melhores, mas somos diferentes e inigualáveis e isso é o trunfo e a distinção do futuro. Dos povos que toldaram o mundo que conhecemos, o português é um deles, mas teimamos em escondermo-nos com vergonha do passado, quando deveria ser o contrário. Não vale a pena fazer um julgamento à história passada à luz da sensibilidade do presente e muito menos reescreve-la à luz de alguns preceitos políticos atuais que colonizaram o sistema educativo português pós 25 de Abril.

2 comentários:

  1. Parabéns,Mário. Excelente e lúcido artigo

    ResponderEliminar
  2. De tanto feito e glória
    Estamos a passar a chicória
    Prestes a bater no fundo
    Porque nos afastamos da moral
    Homens que somos afinal
    Envolvidos no que é imundo
    Nas páginas da informação
    Quer queiramos ou não
    Tudo interpreta à sua maneira
    Ficar fora da razão é que não
    Isso obriga a pedir perdão
    E a saltar da cadeira
    Então há que erguer a voz
    Passar de rápido a veloz
    Para sair em beleza
    Porque sabe atempadamente
    Que vai sair impunemente
    Da justiça portuguesa
    Esse Camões Herói
    Por certo muito se doí
    Na sua vida eterna
    Ao ver todo o amor
    Do que escreveu em dor
    Longe da Pátria materna
    De todos os valores que cantou
    E que aos seus vindouros deixou
    Vê que nada aprenderam
    Após tantas décadas decorridas
    Não se curaram as feridas
    Pelo contrário, cresceram...
    Autor: Inocêncio Matos
    Este é meu comentário: o tal rebuçado que fazem questão de distribuir como esmola à Pátria de Camões. "Também nossa"...

    ResponderEliminar