20/12/2015

Reversão do negócio TAP será BOM?



Mário Russo
Quando o anterior Governo entendeu privatizar os transportes públicos de Lisboa e Porto achei uma boa medida, porque o Estado não tem de ter este tipo de negócio que sorve ao erário público centenas de milhões todos os anos em prejuízos. Acumulando prejuízos por décadas são já biliões de euros e por isso, ninguém se poderá espantar que os impostos que pagamos é que servem para todo o regabofe duma classe que não tem o menor respeito pelo contribuinte.
Quanto à TAP, fui contra, não porque não possa ser de um grupo privado a explorar a companhia aérea, mas pelo perigo que poderia constituir para uma estratégia (teremos?) nacional junto das comunidades, se caísse num grupo rival, deslocalizando o hub e centro de decisões.
O argumento do eterno prejuízo desta transportadora é forte e deve ser levado a sério, porque, lá está, os desmandos ano após ano, quem os paga somos nós, e cada português deveria ter mais respeito pelo seu dinheiro, não deixando que um bando de avestruzes se apoderem dele. O Governo de então disse que o Estado não tinha capacidade para pôr a companhia a render e que só um Provado o poderia fazer.
Este é que é o argumento que não concordo, porque revela a maior confissão de incompetência de quem governa. Não é que fosse necessário tanto para demonstrar essa falta de competência, mas ilustra. Só acontece isso porque os sucessivos Governos foram incompetentes para traçar uma linha para a companhia, dando os meios necessários, mas traçando claramente os objetivos e as penalidades pelo não cumprimento.
A TAP só tem sido boa para a Administração, Pilotos e funcionários de um modo geral, com salários muito acima do resto da Nação, com prejuízos bilionários. Acumulando os últimos 40 anos, dava para comprar 4 TAPs. Resultado, dívida pública portuguesa astronómica, nem é preciso saber muito.
Então, dada esta incompetência, fácil de se verificar, a privatização é, de facto a solução, com cautelas, transparência, sem cláusulas confidenciais (basta afastar das negociações canalhas socratistas e seus pares do PSD/CDS).
Ora, depois de muitos episódios, mal ou bem, um consórcio luso/brasileiro ficou com 61% da companhia na privatização e já injetou umas centenas de milhões na empresa e está a começar a limpar rotas ineficientes e incompreensíveis a quem serviam, etc. Mas contrato feito, contrato honrado.
António Costa parece que se esqueceu que não é o dono do país. Se antes criticou a arrogância de PPC, e bem, porque não passava cavaco à oposição, não pode ele, agora, comportar-se do mesmo modo. E é o que está a fazer.
Se António Costa julga que vai ganhar alguma coisa com esta reversão está enganado, porque o prejuízo pela aselhice de desfazer o que foi assinado pelo Estado Português eleva o nosso país à categoria de republiqueta das bananas. Quem é que doravante fará um negócio com Portugal quando tem governantes que não têm um pingo de senso (nem sequer reivindico bom senso), nem se comportam como honradores de compromissos de Estado?
Mesmo que o negócio tenha sido mal conduzido, depois de concluído e assinado, tem de ser honrado, porque serão infinitamente maiores os prejuízos do que os benefícios duma reversão, sempre de duvidosa bondade. É voltar atrás e manter o país a pagar as ineficiências da companhia, os regabofes dos mimados pilotos e seus pares dos mil e quinhentos sindicatos que por lá há.
É lamentável que Costa não seja, como representante do Estado, uma pessoa de bem. Portugal começa a resvalar perigosamente para o cadafalso. É o facilitismo a reinar e que nada de bom augura.
Será que Costa não tem argumentos para convencer os parceiros de acordo e ocasião que o apoiam, que o Estado tem de estar acima de qualquer suspeita e, por isso, terão de ter paciência?
Assim, Caro António Costa, corre o risco de ganhar os seus amigos, mas perder o país inteiro. Na vida, cada um faz as suas escolhas e deita-se na cama que fizer. Se pensa que conquistou os companheiros de percurso, está enganado, quando eles quiserem, cravam-lhe a espada no peito, porque é assim mesmo, é da sua natureza…

3 comentários:

  1. Boa analise, concordo com Mario Russo em quase todas as suas palavras, mas no recado a António Costa (ultimo paragrafo) vou mais longe...cravam-lhe a espada no peito mas pelo lado das costas,... é mais assim da sua natureza.

    ResponderEliminar
  2. Só é possível reverter o negoçio e o estado passar a ser o soçio mariotario se gastar muito dinheiro dos contribuintes o que esta errado e a maioria Portuguesa não o quer como Primeiro Ministro.

    ResponderEliminar
  3. Meus senhores não se preocupem com nada, dinheiro é o que não falta nos nossos bolsos...quer dizer nos cofres do Estado!!
    Há sempre dinheiro para injetar nos bolsos de alguns, aliás desde o início da crise global de 2008, nunca se verificou na nossa história moderna a uma política verdadeiramente socialista aplicada diretamente nas vidas dos cidadãos como a que existe atualmente. Comentadores e politicos falam de políticas de direita e imposição de tecnocratas ( raio de palavra esquisita ), mas injetar dinheiro dos contribuintes nos sistemas bancários privados e empresas falidas do estado para depois vender ao desbarato sem pedirem a opinião dos que pagam impostos e ainda têm o descaramento que foi a melhor solução para os que patrocinam esta vergonha, é o quê? Se isto não é o verdadeiro socialismo então não sei mais nada de política e ideologias. O que sei é que o capitalismo é falso e disfarça-se/transforma-se em várias formas com o objectivo de ter sempre lucro assegurado para alguns.

    ResponderEliminar