09/08/2015

Cartazes do PS



A ideia dos cartazes sobre trabalhadores que denunciam situações mais que evidentes em Portugal: um desempregado; outro emigrante; outro desempregado de longa duração sem apoio. 
Estes cartazes que procuravam fazer ver que o governo PSD/CDS com a austeridade e as medidas via troika deixaram um rasto de  caos social.

Todavia a falta de profissionalismo e cuidado na escolha das pessoas deitou por terra o pretendido. Alertar , chamar a atenção , apontar o culpado desta calamidade, isto é, incriminar perante os portugueses a realidade social que se verifica no país.

Funcionou como ricochete, pelo uso indevido da imagem das pessoas e essas mesmas pessoas já terem emprego e não emigrarem. Mostrou amadorismo, impreparação e negligência.
Com esta polémica dos cartazes até parece que não há desemprego alto , inúmeros portugueses a emigrar e desempregados de longa duração sem qualquer apoio social!
O PS só dá tiros nos pés! A feitura das listas para deputados foi um antro de  problemas. Os portugueses apercebem-se que o PS não está unido e isso é um óbice a um partido para ser poder. Por outro lado, António Costa não soube, não quis, não conseguiu, libertar-se de um aparelho socialista que lhe deu a vitória para consumo interno, mas pode ser o seu coveiro para consumo externo.
Todavia as vitórias eleitorais conseguem-se com os portugueses que votam no PS, e não, com os militantes ávidos de um lugar e de carreira. 
Nota-se que António Costa está manietado e que esta cena com os cartazes, era a última coisa que o PS precisava que lhe acontecesse e, se deveria passar  depois da última sondagem dar um empate com a coligação, mostrando um crescendo de confiança redobrado e alentado .
O que se passa com o PS e a coligação PSD/CDS é análogo a um jogo de futebol em que o PS começa muito bem, está  fazer um bom jogo e a vencer por 3-0 na primeira parte. Todavia na segunda parte o jogo modifica-se completamente e a coligação faz dois golos de rajada e acaba a seguir  por empatar 3-3 . Ganhou força anímica para vencer depois de estar prostrada e conformada com a derrota.
A história é simples. Era uma vez um PS com uma nova liderança ( António Costa) cheio de esperança e criando uma boa expectativa mas tem vindo a perder fôlego cada dia que passa muito por culpa própria.

JJ

1 comentário:

  1. Este "circo", está com palhaços tão fraquinhos, e tão sem graça..., que nem pra fazer publicidade prá tolos têm jeito!!
    Então para governar um país....!!??

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar