28/05/2015

Discurso de Joaquim Jorge na apresentação de Pedagogia Cívica




Eu encontrei a minha própria voz, o meu espaço. Comecei tarde, tem sido difícil mas consegui.
No Clube tornou-se para mim uma forma de expressar o melhor de mim.
Acho que esta actividade é útil, criativa e com sentido, que contribuí para melhorar a sociedade.
Faço isto com paixão e entusiasmo. Não me movo por lógica e razão.
Parece que foi uma chamada que veio de dentro, para que eu fizesse isto. Descobri que tenho jeito para fazer debates e a forma como faço os debates é reflexo do que sou.
Grande parte das vezes estou por altruísmo e generosidade.
Fazer o que se gosta vai-se descobrindo e desenvolvendo talentos inatos que estavam escondidos e permite-me melhorar o meu potencial.
Gosto de fazer o Clube, sem pensar em dinheiro e sinto-me imensamente rico.
O objectivo do Clube não é ganhar dinheiro ou ter um cargo qualquer, mas ver o resultado do meu contributo para a sociedade.
Sinto-me imensamente afortunado, feliz, pela aprendizagem de tudo que tenho feito e vivido, apesar de alguns obstáculos adversos e dolorosos.
O Clube produz um efeito de criar cidadãos, mais responsáveis e críticos, procura contribuir para uma sociedade melhor e um mundo melhor
Permite a liberdade, a capacidade de reflectir e imaginar a democracia e outras instituições.
No Clube faço voluntariado social.
Procuro ser humilde quanto possível e consciente que quanto mais avanço mais tenho que estar atento e trabalhar.
O mais importante, pelo menos para mim, é que me divirto. Mas a motivação é fundamental.
Percebi no Clube que dizer a verdade prejudica.
Não ando à procura de nada, trabalho a fundo perdido.
Nada mais ajuda a triunfar que o próprio êxito, esse é o verdadeiro segredo do Clube, e não, ganha fama e deita-te na cama.
Tem que haver muita capacidade de trabalho, criatividade, algum mérito e ser expedito. Mas estou cansado de estar sempre a provar.
Os cidadãos estão fartos de gente que se aproveite do erário público e que lhes mintam.
Não se pode meter a mão no que é de todos.
É preciso ter um guia para educar a sociedade. O pior delito é o que toca a dignidade.
A corrupção não tem que ver com a instrução mas com a moralidade.
Uma pessoa pode ser inteligente e erudita e ser um delinquente económico.
Outra pessoa menos preparada e menos inteligente mas com maiores valores é incapaz de roubar as esmolas da Igreja, quando ninguém está a ver.
A sociedade deve ter a segurança que a justiça funciona como parte do sistema.
Há que educar a sociedade em que o que é público é sagrado. Que não se pode meter a mão no que é de todos. O problema que temos é que alguém pense que o dinheiro de todos não é de ninguém.
O delito ou crime é a principal violação do direito dos demais quando é contra as Finanças Públicas é contra o dinheiro de todos.
Por outro lado, o discurso político desvaloriza as palavras
Porque será que tanta gente sente saciedade, tédio, repleção e aborrecimento pela política? Quiçá por um cansaço da forma como se pratica a política?
A sociedade necessita de uma renovação, em certo tempo, mudar os protagonistas. Quando uma sociedade se enquista e os protagonistas são sempre os mesmos, há um desejo de renovação. Isso deve-se a abusos do que é ter uma função pública no erário público.
Deve haver uma responsabilidade connosco própria e com os demais.
Não podemos culpar só os políticos mas a sociedade em conjunto. Esse comportamento pouco responsável podemos encontrá-lo no nosso vizinho.
Julio Cortázar (escritor argentino), no seu conto «não se culpe ninguém» retrata bem que ninguém tem culpa.
Há palavras que se esvaziaram: bondade; verdade; liberdade; consenso; compromisso; etc.
A liberdade significa o mesmo, o que repugna é o discurso que se constrói com ela.
Uma coisa é o que significa liberdade, outra, é o discurso que se faz com a utilização por palavras de liberdade
O discurso que se faz hoje não tem a autenticidade ou a sinceridade com que se implementaram entre nós.
 Ao ler os jornais os políticos tem à volta de 60% ou mais de espaço. Deveriam ter 10%.
 Há quem faça bem o seu trabalho. O bom médico, o bom professor, o bom engenheiro, o bom empresário, o bom operário e nunca é notícia.
 Deveríamos ter um jornalismo diferente e reflexivo. Falta reflexão e profundidade.
Uma democracia que não satisfaça as necessidades dos cidadãos está doente.
O debate é para uma parte importante dos cidadãos conseguir que a democracia resulte habitável para toda a gente.
Infelizmente grande parte da população já percebeu que o principal elemento da democracia não é o votante (o cidadão) mas o credor da nossa dívida pública.
Dizer que a democracia está em crise não é novidade. Há muito que se diz que a democracia está doente. Todavia a democracia sempre demonstrou a sua força e capacidade de adaptação.
A democracia nunca foi um assunto exclusivo de eleições, leis e procedimentos, precisa de confiança e legitimação.
As democracias europeias basearam-se na liberdade de expressão, equilíbrio entre poderes, e de controlos institucionais. Para a maioria de nós, democracia era sinónimo de modernização, crescimento económico e realização pessoal. Porém actualmente estão em crise.
O controlo sobre as pessoas são infinitamente maiores, o equilibro de poderes é uma balela.
Há a força dos poderes financeiros e os controlos institucionais falham. A desigualdade entre nações, gerações e grupos sociais cresce sem parar.
Problemas relacionados com a democracia, com a sua vitalidade, com a sua capacidade para satisfazer as necessidades dos cidadãos.
Problemas relacionados com o medo, nesta democracia.
 A democracia que queremos que seja não é esta actual, e muito menos como vai ser.
Se não nos pusermos de acordo para mudar esta democracia ela sucumbe.
Todavia este é um momento importante, numa altura em que existem 24
partidos políticos que vão concorrer a eleições legislativas em Setembro ou Outubro e provavelmente 13 candidatos às próximas eleições presidenciais.

Haver alguém, que em vez de concorrer a eleições e ir a votos, faz pedagogia e gostaria que a política fosse realizada de outra forma. Esta é a maneira que concebi de intervir politicamente, fazer pedagogia cívica. O Clube dos Pensadores tem como essência a pluralidade e foi concebido como um open mind, que funciona como complemento dos partidos políticos.

O sistema político precisa de válvulas de segurança, de mecanismos de controlo e auto-regulação. A legitimidade do voto tem um papel fundamental em democracia, mas não lhe dá o direito de influenciar e interferir noutras áreas.

A hora é da regeneração da democracia e a despolitização das instituições públicas a começar pela Justiça. Uma das vias possíveis para a democracia sobreviver e devolver alguma confiança aos cidadãos será aplicar controlos institucionais que impeçam a impunidade, a arbitrariedade, a corrupção, os enganos e a insegurança jurídica.

"Quem é idealista, empenhado em mudar o mundo, não entra num partido político, entra numa ONG", disse Moisés Naim (escritor venezuelano). Eu não entrei numa ONG mas entrei no Clube dos Pensadores.

Obrigado, disse,
Joaquim Jorge

3 comentários:

  1. Parabéns meu Amigo!!!!gostei particularmente de"É preciso ter um guia para educar a sociedade. O pior delito é o que toca a dignidade. A corrupção não tem que ver com a instrução mas com a moralidade." Continua sempre como és, bjs

    Eduarda ( S. Paulo)

    ResponderEliminar
  2. Elísio Pinto Excelente. Parabéns!
    Não gosto · Responder · 1 · 12 h

    António Nunes Um discurso que define aquilo que tenho vindo a constatar ser o Joaquim Jorge, o seu trabalho permanente em prol da Cidadania Ativa. Sem cidadãos atentos e conhecedores do que é e do que deve ser a sociedade em que vive não passamos de mendigos sempre à espera que nos dêem uma migalha para não fazer nada! Upa!
    Não gosto · Responder · 1 · 11 h

    Pedra Azul Tive o privilégio de ouvir, mas não me canso de ler. Parabéns!
    Não gosto · Responder · 1 · 8 h

    ResponderEliminar
  3. Aqui está um excelente texto.
    É além de tudo..., um desabafo de quem realmente pensa, quer, e luta por uma sociedade mais justa.
    Uma verdadeira DEMOCRACIA!!
    Tem contudo o azar, de viver num país em que o transformaram numa coisa que tem sido usada, abusada, e destruída de patriotismo, por um grupo de gentinha que de democratas têm apenas o nome.
    Mas o Joaquim Jorge, como não depende nem está subjugado a esse terrível PODER..., vai continuar pensando, falando..., e dando voz aos cidadãos que queiram dela fazer uso, para lutar contra esta corrente que nos tem destituído de tudo que nos engrandece como Nação.
    Parabéns..., e continue neste caminho, que não sendo fácil e lhe dá muito trabalho, valerá sempre a pena!

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar