21/03/2015

Séc. XVIII


Isabel Coutinho

"Exmº. Sr. Duque de Cadaval

Se meu nascimento, embora humilde, mas não tão digno e honrado como o da mais alta nobreza, me coloca em circunstancias de Vª. Exª. me tratar por tu, caguei para mim que nada valho.
Se o alto cargo que exerço, de corregedor da Justiça do Reino em Santarém, me permite a Vª Exª., Corregedor-Mor da Justiça do Reino tratar-me acintosamente por tu, caguei no cargo. Mas, se nem uma nem outra coisa consente semelhante linguagem, peço a Vª. Exª que me informe com brevidade sobre as particularidades, pois quero saber ao certo se devo ou não cagar para Vª. Exª.

Santarém, 22 de Outubro de 1795
Pina Manique
Corregedor de Santarém"


(Subscreve
Isabel Coutinho
a titulo de e para todos os títulos)

1 comentário:

  1. Chère Madame Isabel Coutinho, falar de " merda " ainda que velhinha de dois séculos, para a PURITANA orelha portuguêsa é uma escandaleira. Os portuguêses adoram estar metidos na merda até as orelhas, mas falar nela é "MUITO FEIO". Não fosse essa apetência pela estrumeira e PORTUGAL ja se teria libertado dos cagões vai la muito tempo. Mas como Historia é coisa que não interessa o português comum, venham as historias e os seus vendilhões...!
    Aqui para estes lados da Europa Central falar de merda é coisa bem comum. Ho! merde, quelle merde, putain de merde, quel merdier et ainsi de suite.
    Na passada semana fui cumprir uma missão na linda Cidade de St. Gallen e para não fugir à regra SCHEISSE, kommen hier scheisse, arbeit scheisse ...!
    Madame Isabel Coutinho, gostei da sua pesquisa na Historia de Portugal. A bon entendeur, bien entendu.
    Salutations

    ResponderEliminar