10/02/2015

Clube dos Pensadores: Rui Rio deixa candidatura à presidência em suspense


Joaquim Jorge  iniciou o debate de segunda-feira, dia 9, a provocar Rui Rio dizendo que : “Só há uma maneira do PSD vencer as próximas eleições legislativas em 2015. Pedro Passos Coelho não se recandidatar a primeiro-ministro e deixar o espaço para Rui Rio assumir a liderança do PSD.Esse seria um golpe de mestre. Rui Rio nada tem que ver com a política seguida por este governo tendo , muitas vezes, demarcado-se e criticado várias opções e caminhos seguidos. Rui Rio apresentar-se-ia limpo, livre e com um passado na CM Porto imaculado. Estaria na mesma posição, ou porventura melhor, que António Costa para assumir a chefia do governo.” Rui Rio respondeu com um sorriso.
Deste modo, fica no ar a ideia de que Rui Rio não se deverá candidatar ao cargo de primeiro-ministro uma vez que, para o fazer, teria primeiro que se candidatar a líder do PSD. Este cenário parece pouco provável e, segundo o mesmo, seria contra-natura concorrer à liderança do partido que está no poder. Só lhe resta esperar pelas eleições legislativas, analisar os seus resultados e depois tomar uma decisão.
Rui Rio falou da crise, disse :« Se perguntarmos aos Portugueses se estamos em crise 99%, responderá que sim!»
Acrescentou, «Estamos numa crise económica e política, a crise económica é filha da crise Política.»
Durante o debate abordou ainda o regime político que considera completamente desgastado com o tempo, em cerca de 40 anos, pela não renovação. Ou seja, segundo o ex-autarca, o regime não se adaptou à nova realidade democrática e à sociedade, afirmando que: “Ao longo desses 40 anos atingimos uma despesa publica muito alta, com uma carga fiscal muito alta, défices públicos como nunca antes vistos e endividamento brutal do País“.
“Com estes  resultados os partidos políticos estão em descrédito total. Há uma tendência para votar no menos mau! Há um claro divórcio da sociedade e o enfraquecimento dos políticos actuais. Falta de sintonia entre a sociedade e a política. Menos democracia quanto menos capacidade houver para impor ideias.”
 “O poder político está subjugado aos  interesses minoritários que se sobrepõem aos interesses da maioria.O poder político não tem força para dizer que não aos credores. A despesa pública é por uma fraqueza política. Precisamos de um poder político forte.”
“Por outro lado há uma incapacidade da justiça para responder satisfatoriamente num governo democrático. Separação de poderes: politica para a politica, justiça para a justiça! A política não deve nunca interferir na justiça. Este regime não percebe a separação de poderes!”
Rui Rio deixou também a sua opinião sobre o que deve ser feito:
1- “Não fazer nada que desprestigie a política e fazer tudo que se possa fazer para prestigiar a política com a maior qualidade possível.”
2- “Facilitar a governabilidade do sistema.”
3- “Definir o papel do estado e reforçá-lo.”
4- “Deixar a justiça funcionar e justiça em nome do povo (transparência para o povo)”
5- “Comunicação social: não fazer julgamentos populares nos jornais e respeitar o segredo de justiça.”
Por fim falou que vivemos um momento histórico para salvarmos a democracia genuína, funcional e real e tem que haver consenso e esforço de todos os partidos e revitalizar os partidos
 “O próximo Presidente da República tem que ter um papel importante e ser mais interventivo para a reforma política.”,
 “Preciso de sentir que posso voltar à vida publica. Nas sondagens nunca ganho!”, afirmou.
 António Tavares, provedor da SCMP, na sua curta intervenção salientou que é necessário uma politica de consenso e um programa de políticas públicas
 Joaquim Jorge citou Séneca :« nenhum vento é favorável para o marinheiro que não sabe para onde ir» e será importante Rui Rio definir para onde quer ir.
O fundador do Clube dos Pensadores salientou ainda que esta sessão foi o 88º debate, uma  capicua que pode ser um indicador de boa sorte e  sinal de bom agouro – “Vamos ver então o que vai decidir Rui Rio no futuro.”
Para finalizar Joaquim Jorge perguntou a Rui Rio se voltaria um dia ao Clube se fosse primeiro-Ministro  ou Presidente da República? Rio respondeu com algum humor que : “será algo a ponderar tendo em conta a agenda e o cargo a exercer.”,  a sala reagiu com uma gargalhada.
A sala esteve cheia, com muita gente do Clube, algumas caras ligadas ao PSD, com uma enchente de populares e uma forte presença da imprensa . Na plateia esteve António Tavares (Provedor da Santa Casa da Misericórdia Porto), Mercês Ferreira (vereadora na CM Gaia), Lino Ferreira (Presidente da Comissão Executica Metropolitana), muitos membros do Clube , entre outros.
Antes do debate houve um jantar privado com Rui Rio e Joaquim Jorge.
Maria João, Joaquim Jorge e Webnoticias 

3 comentários:

  1. Não gostou mesmo nada dele enquanto presidente da CMP. Era por ele não gostar de LFM? Mas já gostaria dele para PM. Foi por ter aceitado vir ao debate? É por não gostar de António Costa?
    JJ é mestre do ZIG-ZAG!

    ResponderEliminar
  2. ?????????? e de aturar gente que faz este tipo de comentários

    ResponderEliminar
  3. Nós neste espaço gostamos de saber com quem estamos a falar

    https://www.facebook.com/jvinha1?fref=ts

    ResponderEliminar