17/02/2015

A "ISCA" QUE O SYRIZA LANÇOU



Hercília Oliveira 
Se perguntarem a qualquer pessoa se gosta ou quer austeridade, com certeza que a resposta será: NÃO!
E sobretudo nesta sociedade de consumo, o que a maioria gosta é de gastar.
E tal como os bancos, que não se interessaram saber se a quem emprestavam teriam dinheiro para pagar, também as pessoas se endividaram sem fazer ideia de como iriam pagar.
Ora os gregos, gastaram  de tal forma e com uma tão grande irresponsabilidade..., que tiveram que recorrer aos "malvados  credores" pois só eles lhes podiam  emprestar.
Ora aparece o Syriza..., e promete: aumento de salário quase em 200 euros; reposição nas reformas; reintegrar desempregados públicos ( que eram já escandalosamente excessivos...), e  acabar com a austeridade, como que bastasse carregar num botão e logo desaparecia.
O Syriza quer alterar tudo e exigindo colaboração dos outros países.
Ora o Syriza esquece que já foram mais beneficiados que outros que estão na mesma situação.
A Grécia já teve condições melhores que Portugal, e que todos os outros países votaram a favor.
A Grécia, só começa pagando juros a partir de 2020. Não pode agora aparecer como a coitada que ninguém compreende!
Mas..., ainda fizeram mais: afrontaram arrogantemente quem lhes emprestou, e de quem continuavam precisando para sobreviver!!!

" Recomendei insistentemente a Alexis Tsipras, que se desarme no plano verbal. Seria avisado parar com os ataques a Angela Merkel"
   ( Martin Schulz )

O ministro das finanças grego, Yanis Varoufakis, diz que não aceitará mais ordens .
Não quer mais nada com a Troika.
Começou por dizer que não pagava a divida ; agora já admite pagar alguma.
Recusou quase tudo que havia sido acordado, como se fosse um país sem precisar do dinheiro de todos, e agora ainda exige que aceitem tudo como ele quer!?
Há porém em tudo isto, uma grande esperteza por parte do Syriza:
Eles vão..., aliás já estão, começando a querer dar a imagem a quem neles votou, de que os culpados de não poderem cumprir o que prometeram, são dos malvados credores e dos países que não concordam com eles, e não eles, mesmo sabendo que estavam prometendo o que não podiam nem deviam.
Eu também vou prometer a que eu quiser, que lhe vou dar um Ferrari; depois..., vou acusar o Banco por ser o culpado de não cumprir o que prometi.

6 comentários:

  1. O Syriza está a fazer aquilo que o povo grego quer que seja feito, e a Europa só tem de dizer se é solidária ou não. Posso traçar um paralelo entre o povo grego e eu como cidadão português, e percebo o sentimento do povo grego, eu não tenho culpa dos desmandos dos 40 anos de governação incompetente e corrupta, não devo sequer um tostão a minguem, não quero pagar os submarinos e outras compras corruptas militares, nem quero pagar as PPP que absorvem 5,3% do PIB,( (85% da divida portuguesa está ligada a negociatas) não quero pagar as falências do BPN e do BES, não quero e tenho o direito de não querer pagar; os governantes que vão buscar o dinheiro aos que se beneficiaram , que vão aos bens dos accionistas dos bancos que estavam de mão estendida par receber os dividendos, agora que reponham os prejuízos, eu não quero pagar nada disto. O povo grego e o Syrisa ainda fazem o favor de pagar a divida , pedem apenas condições para a pagar. Tem ideia do que é destruir 25% do PIB de um pais, foi quanto a troica destruiu na Grécia, é preciso ser muito ignorante , desumano , maquiavélico e sádico estar a exigir que a escravidão de um povo e o fim de uma nação para pagar uma divida corrupta que teve o apoio e a falcatrua do sr Mário Draghj, quando funcionário da Goldman Sachs , de um presidente da união europeia que traiu todos os seus colegas da união quando primeiro ministro do Luxemburgo ao negociar secretamente com grandes empresas multinacionais impostos mais baixos , burlando os outros países da união em biliões em impostos, temos um presidente do conselho que falsificou um doutoramento para melhorar o curriculum, (como terá sido a sua formação, faz-me lembrar o Relvas , ou será tipo Sócrates , ou como o Passo Coelho que se formou aos 37 anos numa universidade manhosa), e é esta gente que governa a Europa e está a exigir a ruína da Grécia ? Cada vez penso mais que a única hipotse de mudança da sociedade é por outras vias que não as que seriam normais. Se a Europa não for solidária com a Grécia, e depois com portugal, então não interessa, só interessa à Alemanha. Já agora este modelo de sociedade que foi implantado em portugal, baseado em fundos europeus e endividamento foi criado , regulamentado e posto em prática pelos partidos do arco do poder, e teve como seu idealizador e mentor o Sr Cavaco Silva, atual presidente da república, ele foi o omem que construiu a estrada que vai levar o nosso pais à ruína.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu pessoalmente, nao acrescentaria nada. Na muche!

      Eliminar
  2. Aproveito para colocar artigo que saiu num jornal com o título:

    O Syriza é um filho bastardo da Sra Merkel, mas não é um monstro.

    Quando a direita é torta e pouco inteligente, a esquerda aproveita bem.
    Há anos que isto estava escrito no destino.
    A teimosia e o egoísmo da direita europeia geraram o Syriza.
    O partido grego que acabou por vencer, e bem, é um filho bastardo da Sra. Merkel.
    A mãe da austeridade, de tanto obrigar os povos ao sacrifício, gerou bastardos revoltados e zangados.
    É isso que sempre acontece quando as pessoas são obtusas.

    Ao longo de cinco anos, entre 2009 e 2014, a direita europeia impôs uma política exagerada, errada e contraproducente.
    Merkel, mas também Sarkozy, Oli Rehn, Trichet, Rajoy, Samaras, Passos Coelho e outros, aplicaram com entusiasmo políticas de austeridade duríssimas.
    A Grécia, a Irlanda, Portugal, mas também a Espanha, a Itália, a França, até a Holanda, foram obrigadas a cortes violentos nas despesas e a uma cura de emagrecimento forçada, mas supostamente salvífica e redentora.

    Nunca se chegou à terra prometida dos austeritários.
    A Europa veio de crise em crise, desde 2009 que não sai dela.
    Porém, a direita europeia não admite que esse podia não ser o melhor caminho.
    Mais do que isso: a Sra Merkel quis mesmo impedir todos os avanços positivos que ainda se iam conseguindo.
    O Mecanismo Europeu de Estabilização, a União Bancária, a intervenção do BCE, foram sempre adiados, sabotados ou fortemente criticados pela Alemanha.
    Ao longo de cinco anos, Merkel só tinha uma resposta para tudo: austeridade e reformas estruturais.

    Tudo lhe saiu furado. As economias nunca recuperaram e as sociedades começaram a reagir.
    Na Grécia, Itália, Espanha, França, até na Alemanha e no Reino Unido nasceram movimentos políticos hostis.
    Já em 2014, em Maio, quando se deram as eleições europeias, era evidente que algo estava em curso.
    A crise saltara das finanças para a economia, e agora saltava desta para a política.
    Estavam a nascer os filhos bastardos da austeridade.
    Porém, a sra Merkel e os seus "boys", como Rajoy ou Passos, enfiaram a cabeça no chão, como a avestruz.

    Fatalmente, um dia algo iria acontecer, e esse dia foi ontem.
    A partir de agora, há uma alternativa à austeridade.
    Os povos zangados podem unir-se e obrigar a mãe a concessões.
    Na dívida pública, no fim da austeridade, na união política, há muito a fazer para consertar os danos que Merkel e seus "muchachos" provocaram.

    E descansem as almas mais sensíveis: o euro não vai acabar.
    Isso é a conversa do costume, a chantagem do "não há alternativa", do "tem de ser".
    Estão errados. O Syriza vai surpreender, e a Europa vai mudar para melhor.

    ResponderEliminar
  3. Ainda não consegui perceber de que lado está a Dª Hercília? Se na Direita, no Centro ou na Esquerda. Ou em todos ou em nenhum. É mais uma "Maria vai com as Outras..."

    ResponderEliminar
  4. Quer dizer, que o Sr VINHA só percebe se as pessoas usarem um "rótulo"!?
    Pois então vai continuar sem perceber, porque eu não escrevi especificamente para o Sr.
    Quem sabe, numa próxima!?
    Mas já agora, dê lá uma opinião qualquer, para ficar a saber com quem "O Manel vai...", já que só aparece aqui para criticar, que é o mais fácil. O Sr, afinal não percebe mesmo nada..., pois não se pronuncia sobre o assunto em questão; a sua preocupação é saber "com quem vou"!!
    Mas, como eu não tenho que lhe dar satisfações de com quem ando...

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar
  5. Sugiro que se deixe este José Vinha a falar sozinho https://www.facebook.com/jvinha1.

    Não tem uma ideia, um pensamento , uma opinião...

    Deste modo é aconselhável ignorar - é a pior coisa que se pode fazer a uma pessoa -.

    Não acrescenta nada ao debate de ideias

    ResponderEliminar