04/01/2015

Juiz e Procurador sobre José Sócrates



Juiz e procurador não gostaram das respostas de Sócrates à TVI

Carlos Alexandre e Rosário Teixeira podem avançar com inquérito-crime. Defesa tem outro entendimento da suposta entrevista
José Sócrates pode ser alvo de um inquérito-crime por violação do segredo de justiça, depois de ter respondido por escrito a seis perguntas colocadas pela TVI sobre a sua detenção. 
  
O juiz Carlos Alexandre e o procurador Rosário Teixeira entendem que as declarações públicas do antigo primeiro-ministro podem colocar em causa a recolha e conservação de prova. 
  
A convicção é partilhada pelo juiz de instrução criminal e pelo procurador do DCIAP: Sócrates utilizou as respostas às seis perguntas colocadas pela TVI para tornar público o que foi dito durante o interrogatório judicial a que foi sujeito. 
  
De acordo com o «Diário de Notícias», as respostas de José Sócrates constituem, na prática, um exercício do contraditório na comunicação social, o que, na opinião dos magistrados, interfere com a investigação e põe em causa a recolha de prova. 
  
A defesa de José Sócrates tem outro entendimento da situação, entendendo que o ex-primeiro-ministro não está impedido de dar entrevistas. 
  
Além disso, segundo o advogado Pedro Delille, «para efeitos legais», as respostas à TVI «não foram uma entrevista». «Foi o que foi: foram umas perguntas formuladas por escrito, respondidas por escrito», distinguiu.  
  
A direção geral dos Serviços Prisionais negou, em dezembro, um pedido de entrevista a Sócrates feito pelo jornal «Expresso», mas os advogados de defesa entendem que a proibição se circunscrevia àquele pedido em particular. 
  
José Sócrates invocou «legítima defesa» para justificar a decisão de responder às perguntas da TVI, contra aquilo que classificou uma «sistemática e criminosa violação do segredo de justiça».

noticia da TVI

2 comentários:

  1. Caro JJ,
    Tens toda a razão. É inadmissível o que se está a passar com a tentativa de gradas figuras do PS pressionarem a JUSTIÇA, a começar por Mário Soares. É uma débil imagem que se dá ao querer misturar os poderes presidencial com o judiciário, que seria semelhante a qualquer republiqueta das bananas.
    Outras figuras do PS também estão a contribuir com a procissão a Évora e em entrevistas condicionadoras da Justiça, só se esquecendo que estão a contribuir para uma provável derrota legislativa do PS caso Costa não consiga pôr ordem na tropa.
    Com efeito, o povo português rejeita exponencialmente Sócrates pelo que fez. Não tem dele as melhores recordações. A maioria está convicta que ele é mesmo um salafrário, mesmo que não seja.
    Num quadro destes está semeada a melhor das propagandas para o PSD/CDS ganhar as legislativas, porque vai explorar estas contradições e vai associar todos os socialistas a este tipo de trafulhice.
    Vão aparecer as clássicas perguntas: - é isto que os portugueses querem?
    António Costa tem pouco tempo para se pôr a coberto deste lodaçal.

    Mário Russo

    ResponderEliminar
  2. Estou convencido que isto nao passa de jogada politica do PSD para descredibilizar o PS, com vista as proximas legislativas, onde espera levar grande banhada, pelas politcas aniquiladoras, praticadas nos ultimos 3 anos de governacao. Ha' muitas mais figuras do PS, PSD e CDS, que deviam ser presos, julgados e os seus bens confiscados por isso, o PS devia deixar a Justica seguir o seu curso e iniciar assim, um ciclo de limpeza na politica nacional, condicao essencial para se ganhar as proximas eleicoes, e ganhar sobretudo, o futuro de Portugal.

    ResponderEliminar