18/12/2014

Miguel Relvas




Miguel Relvas apesar de não estar no governo e aparentemente na vida politica activa não deixa de ter a sua influência e o seu faro político. Passado uns tempos da sua demissão de Ministro, sempre pensei que seria uma questão de tempo para voltar, e não me enganei, ocupou um lugar no Conselho Nacional do PSD e, tem sempre que há reuniões tecido considerações e opiniões que mostram visão e atenção ao que se passa em seu redor. Na sua primeira intervenção na primeira reunião do Conselho Nacional alertou para se efectuar uma  reforma do sistema politico, dos partidos e do seu próprio partido ( PSD), como algo premente para não se deixar ultrapassar pelos acontecimentos.

Esta semana, em novo, Conselho Nacional do PSD, Miguel Relvas defendeu que é tempo de definir uma proposta para as legislativas e que o PSD deve estabelecer um acordo de coligação com o CDS.

Miguel Relvas não deixa de ter razão, a tendência e as sondagens não desmentem que mesmo que se faça uma coligação pode não chegar para vencer o PS. Sondagem da Eurosondagem para o Expresso e a SIC relativa ao mês de Dezembro mostra uma subida socialista nas intenções de voto. A soma dos votos do PSD + CDS já não chega ( 25,2+7,3= 32,5). O PS já tem 37,5.

Nem o dilúvio de José Sócrates afectou o PS. A grande coligação com o PS , não é a esquerda mas o descontentamento.


Por outro lado, o CDS pode mudar de ideias e arranjar um novo parceiro- o PS.

Deste modo, de uma forma atenta, precavida e em antecipação, Miguel Relvas pede uma coligação quanto antes. O mentor deste governo e de Pedro Passos Coelho, já não está na primeira linha, mas ainda mexe e percebe do ofício. 

JJ

2 comentários:

  1. Caro JJ,

    Concordo com a análise. Miguel Relvas teve o azar de se ter descredibilizado com a questão da licenciatura, por mero complexo nacional dos "canudos", como se estes sejam indicadores de inteligência.

    Há muitas formas de aprendermos a fazer coisas. Uma delas é através da educação formal, do ensino indutivo ou dedutivo, consoante seja vocacional ou científico, cujo objetivo é chegar ao mesmo lugar no conhecimento (ou pelo menos equivalente).

    Se assim é no ensino formal, também pode ser na prática em contexto de trabalho. Aprender-se a fazer coisas e a perceber o porquê. Õ ensino formal serve para acelerar a formação e mais rapidamente colocar profissionais no mercado.

    Porque é que os portugueses têm complexos do dr e do engº? Esse complexo é que levou Relvas a relvar um campo para passar e Sócrates a usar as telecomunicações para realizar exames.

    Quem votou nesses políticos, nas eleições, não foi pelos cursos que quiseram exibir, mas pela sua sagacidade política.

    Relvas já mostrou mais que uma vez que não é estúpido. Pelo contrário, é um estratega inteligente e "furão", como diz o povo.

    O CDS é um partido em queda, mas pronto a procurar um porto para embarcar, desde que haja barco lá está ele. Portas não se perde em meandros, vai logo saltando para o barco, o que precisa é de viajar. Esse barco pode ser o PS, caso veja como única forma de estar no poder e que o timoneiro o aceite. Alto lá, tem esta nuance.

    Mas como o PC está sempre de fora e os outros nem se fala, o CDS pode ser a charneira.

    Neste caso Relvas é avisado e está a ver mais longe.

    Mário Russo

    ResponderEliminar
  2. Em Espanha, um empresario falido, numa atitude desesperada, mandou-se de carro contra a sede do PP carregado com 2 botijas de gaz e adubo. Responsabiliza o partido PP pelo estado da economia. Por acaso as botijas nao explodiram. Se a moda pega, os politicos comecam-se a portar bem, nao? Ja' que a Justica nada faz...

    ResponderEliminar