13/08/2014

Comparar com 1974





Miguel Mota 
Constantemente ouvimos comparar estatísticas actuais com as de 1974, como se Portugal tivesse parado no tempo nesse ano. Um jornal escreveu que “Cravinho disse que Portugal está hoje muito melhor do que em 1974”. Não podemos saber como estaria o país se não tivesse havido a revolução. Mas, 40 anos depois, estaria certamente bem diferente do que era em 1974.
Sem que isto seja uma apologia da anterior ditadura –  que o regime actual também é, pois os cidadãos, além de não se poderem candidatar a  deputados, só podem eleger quem meia dúzia de ditadores escolheu –  gostaria de ver algo mais do que a simples comparação apresentada. Deveriam ser apresentados os gráficos da evolução dessas estatísticas, não apenas de 1974 a 2014, mas também dos quarenta anos antes, ou seja, de 1934 a 2014. Só assim seria legítimo ver como os diferentes valores evoluíram.
É muito longa a lista que deveria ser considerada, lembrando apenas alguns: população; esperança de vida; PIB (valores e taxa de crescimento anual); inflação; dívida pública (valores e taxa de crescimento anual); défice governamental (em valor absoluto, em percentagem do PIB e taxa de crescimento anual); leque salarial; analfabetismo; escolaridade (descriminando básico, secundário e superior); escolas construídas (descriminando básico, secundário e superior, em número de escolas e em metros quadrados de construção); saúde; ciência (separando a produzida pelas universidades, pelos laboratório de investigação do estado, por entidades privadas sem fins lucrativos e por entidades empresariais e indicando os quantitativos investidos nessa actividade, descriminando, quando houver, os que foram dados pelo estado a estas entidades); marinha, de pesca, de recreio, mercante e militar; exército; aviação, civil e militar; agricultura, incluindo florestas e pecuária; indústria, extractiva e transformadora; comércio, etc.
Não é um trabalho difícil de fazer, pois a recolha de dados é possível consultando as estatísticas. Do estudo da evolução desses dados, que gostaria de ver em tabelas e em gráficos, deverá ser possível tirar interessantes conclusões. Ao longo desse período de 80 anos, os valores deveriam ser dados ano a ano. Alguns autores, talvez para encurtar o gráfico, usam as médias dos decénios. É um sistema perigoso, que pode levar a conclusões erradas, como já tive ocasião de mostrar a propósito de um gráfico apresentado pelo Dr. Medina Carreira.

Afigura-se-me que um estudo como este, certamente com muitos acrescentos e algumas alterações, daria uma boa tese de doutoramento em economia ou sociologia. Abrangendo um período relativamente longo – 80 anos – e, portanto, atravessando diferentes situações do mundo, as conclusões que permitiria tirar talvez até atingissem o campo da ciência política.

3 comentários:

  1. Belíssimo desafio.
    Concordo com o amigo, as conclusões poderiam ajudar a compreender a própria ciência política.

    ResponderEliminar
  2. Caro Sr Miguel Mota

    Completamente de acordo com o que exprime no seu texto.
    De vez em quando também "levo" com alguns que me querem tapar os olhos com essas comparações: o antes e o depois de 1974.
    O que eu costumo responder, é que é a mesma coisa que comparar 1974 com 1920!
    Ou então, imaginar e comparar o que o mundo e seus países serão daqui por 50 anos!
    Depois, tento lembrar-lhes o que sabemos ter sido feito durante a dita ditadura, pois que para alguns "tapadinhos", parece que durante essa época não se construíram : escolas, hospitais, estradas, assistência aos mais necessitados, pontes..., enfim não vale a pena alongar-me mais.
    Não..., para alguns o país só existe desde 1974! São uns atrasados mentais que tentam nos "adormecer" com falácias .

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar
  3. Os meus agradecimentos aos dois comentadores.
    Miguel Mota

    ResponderEliminar