26/08/2014

ANIMAIS ABANDONADOS



caoNesta altura de férias alguns de nós já terão visto animais abandonados nas ruas, perto de suas casas, quiçá alguns mortos nas estradas e com as tripas de fora.
Em Portugal quase 30.000 animais foram abandonados o ano passado, tendo vindo a aumentar imenso, o seu número duplicou desde 2008. Os animais são essencialmente cães e gatos, esta estatística é miserável. Há gente sem escrúpulos e canalha. Muitos são pobres e não têm condições para manter os animais mas outros aparentam ser ricos. Os ricos compram um cão para o filho ou para si, porque é chique, logo de seguida atiram-no pela porta fora porque fez caca e chichi dentro de casa e lhe sujaram o sofá. Deste modo preferem um dia levá-lo a um campo no seu carro faustoso e abandoná-lo na calada da noite. Gente desta espécie nunca deveria ter um cão ou animal de estimação.
É lamentável fazer o que se faz com um animal indefeso, que nos ama com adoração e que depende de nós, para num ápice com aleivosia deixá-lo num lugar remoto, abandonado à sua sorte. Muitos dos animais, coitados, têm um poder de orientação notável e voltam para o seu dono, mas têm de novo o mesmo destino.
Há vários trabalhos internacionais que demonstram que há uma relação directa entre o maltrato animal e a criminalidade contra pessoas. Quem maltrata um animal pode muito bem maltratar um filho, a esposa ou os idosos a seu cargo. E não só, também há uma relação com delitos públicos: sequestro, violação, roubos com violência. Custa pensar que por detrás de 30.000 animais abandonados estão seres humanos que são verdadeiros energúmenos com propensão para este tipo de crimes. É brutal só pensar na ideia. A conclusão que se tira é quem abandona um animal pode abandonar uma pessoa e infligir-lhe maus tratos.
O diploma que altera o Código Penal criminalizando o mau trato e abandono de animais vai entrar em vigor, prevê penas de 6 meses de prisão ou multa de 60 dias (para quem abandone animais) ou 1 ano de prisão ou multa de 120 dias (para quem maltrate) ou 2 anos de prisão ou multa de 240 dias (maltratos com morte do animal).
É pena esta lei entrar em vigor depois das férias (1 de Outubro). Muita dessa gente pensaria duas vezes antes de abandonar e maltratar animais este Verão.
Muitos animais são deixados à porta do canil porque os donos não têm meios para os manter. Antes disso, o actual dono deveria tentar arranjar um novo dono.
Porém é necessário dar condições aos canis e seus trabalhadores para que não haja um abate em massa e se tenha condições para manter os animais vivos.
Esta insensibilidade é uma vergonha nacional. Ouve-se constantemente esta frase cliché, "com o que nos há caído em cima de nós com esta crise, não nos podemos preocupar com animais". Uma frase absurda e egoísta que demonstra a formação das pessoas.
De certa forma uma sociedade que trata mal os animais é um claro indicativo do seu nível de desenvolvimento democrático e cívico.
Sinceramente gostava de conhecer essa gente que tem a desfaçatez de fazer mal a animais e desmascará-la publicamente. Eu gostava imenso de ter um cão em minha casa - Serra da Estrela -, em miúdo tive um cão desses em casa dos meus pais. Porém como não tenho condições, não tenho com muita pena minha. Ter um cão requer cuidados redobrados, como higiene, visitas ao veterinário, passeios constantes e local decente para o ter. No fundo ter um cão é como ter um filho.
Mas costumo dizer que para se nascer é preciso sorte, para se ser cão também…
JJ

*texto publicado no PT Jornal

1 comentário:

  1. Existe um velho ditado " mais vale tarde do que nunca ", porém os meninos do CDS lá arranjaram maneira de contornar a lei , acrescentado um artigo que estabelece que a criminalização dos maus-tratos “não abrange os animais utilizados em exploração agrícola, pecuária ou agroindustrial, assim como os utilizados para fins de espetáculo comercial ou outros fins legalmente previstos” . O intuito claro de proteger actividades completamente ultrapassadas e antiquadas, bem como certas famílias que vivem da touradas e seus espetáculos de pura brutalidade absurda onde as crianças podem assistir sem qualquer problema, em nome da cultura,tradição e economia...cultura da violência gratuita e humilhação financiada pelo erário público ano após ano, pois não admira que com esta mentalidade estejamos na lama como País!

    ResponderEliminar