09/07/2014

Avaliação da União Europeia coloca o Politécnico de Viana do Castelo no top 10 em Portugal



No passado mês de Maio teve lugar o “Dia da Ordem dos Engenheiros no Instituto Politécnico de Viana do Castelo”, com a presença do Bastonário e do Presidente da Ordem dos Engenheiros no Norte, tendo-se procedido à assinatura de um Protocolo de cooperação entre estas as instituições.
Este protocolo é o reconhecimento que faltava à licenciatura em Engenharia Civil e do Ambiente e ao Mestrado do mesmo nome, cujos diplomados passaram a ter acesso à inscrição direta na OE. Seguir-se-ão outras engenharias do Politécnico após o resultado das avaliações em curso.
Esta cerimónia foi simbólica.  Com efeito, depois do curso de Engenharia Civil e do Ambiente (ECA) ter sido avaliado e acreditado por 5 anos pela exigente Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES), única agência oficial portuguesa com essa missão que integra avaliadores estrangeiros, foi a Ordem dos Engenheiros a fazer o mesmo. Os diplomados em ECA (Licenciatura e Mestrado) têm acesso direto à inscrição como membros da OE, respetivamente no nível 1 e 2, sem ter de prestar exame de acesso, tal como acontece com os diplomados de prestigiadas Universidades do país. Por outro lado, coincide, no tempo, com a divulgação do ranking das universidades europeias e portuguesas pela União Europeia num universo de 850 “universidades”, em que o IPVC surge entre as 10 melhores instituições de ensino superior português num ranking elaborado com base em 5 categorias internacionalmente aceites.
A inscrição dos diplomados na OE tem sobretudo a ver com o prestígio de pertença a uma instituição como a Ordem dos Engenheiros, mas tem uma importância relevante para os Mestres em Engenharia Civil e do Ambiente tendo em vista a sua internacionalização, uma vez que dá direito à sua inscrição junto das congéneres da OE em Angola, Moçambique, Espanha, Peru, México e Colômbia.
Mário Russo
A internacionalização da economia nacional também se faz por via da atividade dos diplomados portugueses em países estrangeiros e para isso torna-se candente a possibilidade de inscrição profissional nos países de acolhimento.
A formação em Engenharia Civil e do Ambiente na ESTG alia a tradicional engenharia civil às vertentes do Ambiente, da Sustentabilidade na construção e no ambiente, dando ênfase à reabilitação e à regeneração do construído e edificado, que tem sido um trunfo deste tipo de formação.

Sem comentários:

Enviar um comentário