15/06/2014

PS




Portugal não se pode dar ao luxo de ter um PS dividido e sem rumo. Este enfrentamento e divisão que se manifesta, entre António José Seguro e António Costa, vai levar o partido a não conseguir vencer as eleições legislativas de 2015. Uns querem e defendem um Congresso extraordinário e directas, quem está com António Costa, outros querem primárias, quem está com Seguro ,que não constam dos estatutos do PS e estão marcadas para Setembro.

Por outro lado, ainda não se sabe a decisão de todas as federações do PS (21) sobre se há ou não congresso extraordinário mas já se sabe que um congresso extraordinário não poder ser electivo e que um líder eleito em directas com António José Seguro tem legitimidade própria não podendo ser destituído por qualquer órgão do partido.

Em vez de se ter um PS forte, mobilizador e de corporizar uma mudança politica, capaz de mobilizar o país discute-se processos electivos, normas estatutárias e rebuliço interno que passa ao lado da maioria dos portugueses.
Enquanto António Costa andou a pensar se concorria ou não à liderança do PS, António José Seguro blindou o acesso ao poder no PS como uma muralha intransponível.
Os militantes, ao que parece, vão ter a liberdade de votar no que crêem melhor para o partido. Se o PS não tem rumo, segue dividido e não oferece um projecto alternativo de governação arrisca-se a tornar-se um partido médio ou pequeno.

Durante estes últimos anos, o PS não soube aproveitar a onda de descontentamento e não foi capaz de interpretar o que os cidadãos lhe disseram em 2011, nas últimas legislativas e recentemente nas autárquicas e europeias, apesar de vencer de uma forma agridoce.
O PS sem complexos deveria ter-se libertado do fantasma José Sócrates, mas não o fez. Antes pelo contrário, querem ressuscitar esse pesadelo que ficou caríssimo aos portugueses.
Os portugueses ainda não se esqueceram e ainda não perceberam qual o caminho que o PS quer seguir. Com certeza que há muitas coisas que os sucessivos governos PS ao longo de quarenta anos de democracia, fizeram foram boas: saúde pública; ensino público; pensões; etc..
Os portugueses olham para o PS de duas formas distintas: Seguro é um líder fraco que não consegue inspirar confiança e António Costa um líder forte que inspira alguma confiança mas está ligado ao pior de um governo PS, na era Sócrates.

Este é o dilema. A situação que os portugueses atravessam questiona a forma de governação mas não querem nunca mais governos à moda de José Sócrates. O momento de desassossego social, os cidadãos têm outras prioridades e o debate actual do PS pela sua liderança não vai ao encontro das suas necessidades.
Basta ver as manifestações de rua em que há milhares de famílias que passam mal. As pessoas querem que lhes fale de emprego e que não se branqueie a era Sócrates. Isto quer dizer que têm relutância em aceitar Seguro porque é fraco e sem carisma, por outro lado querem António Costa mas que corte de uma vez por todas a sua ligação umbilical a Sócrates.
Este dilema do PS é muito bem aproveitado pelo coligação do governo que vive um momento de alguma instabilidade com os chumbos no TC. O PS que tinha tudo para vencer as próximas eleições dificilmente deixará de ficar dividido e debilitado. O governo que está dividido parecendo que tem dois primeiros-ministros: Pedro Passos Coelho e Paulo Portas, tudo vai fazer para se manter unido e continuar no poder.

JJ

4 comentários:

  1. Mário Russo15/06/14, 23:26

    Caro JJ, assino por baixo esta análise.

    Como é possível haver políticos que não tenha esta leitura? Claro, se provas faltassem para demonstrar a mediocridade reinante, esta seria a prova concludente da fraca estirpe de políticos medíocres que se apoderou do poder partidário. Blindam estatutos com a ajuda de uma legião de lambe botas que se tornam uma muralha inexpugnável.

    O PS caminha, como o país, para o abismo.
    O Pior que pode acontecer ao país é o empastelamento que se seguirá. Governos fracos, pejados de medíocres em minoria (seja PSD ou PS).

    Sócrates no PS é o mesmo que aconteceu em Angola com Savimbi, um senhor da Guerra que enquanto vivo não deixou aquele país sem sangue. Foi só eliminar o abutre para o país encetar pela paz. No PS enquanto não liquidarem com a imagem funesta de Sócrates, personagem de caráter duvidoso e um mentiroso compulsivo, o PS de Costa pode despedir-se do poder. Justamente ele que tem cariz de liderança e poderia ser um rosto de mudança para o rumo do país, deitou muito a perder ao colar-se ao sinistro Sócrates. Eu ainda me pergunto porquê? Se ele não precisava nada e até deveria mostrar exatamente o contrário, rompendo com essa nódoa.

    Mário Russo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Mario Russo,
      "Sócrates no PS é o mesmo que aconteceu em Angola com Savimbi, um senhor da Guerra que enquanto vivo não deixou aquele país sem sangue. Foi só eliminar o abutre para o país encetar pela paz."!
      Não entendi !!!!!
      "O que tem o cu haver com as calças"!

      Isabel Coutinho

      Eliminar
  2. É isso mesmo...!
    Sinceramente..., eu nunca pensei ver políticos descerem tão baixo e fazerem a figurinha que fazem.
    Para fazer a figura que fazem e desgovernarem como o têm feito, qualquer uma pessoa com carácter forte e alguma dose de bom patriotismo sabendo o mínimo como fazer contas bem feitas, fazia muito melhor que esta cambada...!
    Não precisava nem de saber ler..., com um só assessor que o esclarecesse na leitura, governaria este país.
    E o que mais me desalenta, é que não vejo como dar a volta a esta situação. Eles tomaram conta do país e não vejo como correr com eles TODOS!! Estou FARTA!

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar
  3. Caro JJ
    Perfeita análise.
    Não consigo dar mais substancia ao meu comentário porque JJ é conciso e preciso, acerta no alvo com pontuação máxima.
    Deixo uma frase, que se adequa a esta peça, com estes dois protagonistas:
    "A tragédia começa quando os dois acham que tem razão."
    William Shakespeare


    Isabel Coutinho

    ResponderEliminar