12/05/2014

Artigo de opinião de Joaquim Jorge no PT Jornal

Carta dramática de um desempregado

12/05 


Carta dramática de um desempregado

4 comentários:

  1. A carta comoveu-me bastante, é uma situação triste e dramática!
    Quando ouço os políticos e empresários a falarem sobre reduzirem as indemnizações por despedimento ilegal, dá-me vontade de rir, pois se existe uma tentativa de despedimento ilegal só pelo acto em si deverá ser punível de forma bem mais eficaz, além disso não existe dificuldades de despedimento no privado, isso é uma mentira, se a empresa pretender realmente despedir um funcionário efectivo tem á sua disposição enormes ferramentas para o fazer ( pressão , mudança de local de trabalho, pressão no horário de trabalho etc etc ) e por fim utilizar a pressão de processos disciplinar, levando o funcionário a gastar dinheiro e tempo em advogados e se o caso for para tribunal, mais vale chegar a um acordo, senão o dinheiro da suposta indemnização vai ser ridícula, após pagar custas de processo e advogados.
    Existe muita insensibilidade na nossa sociedade , não só pela entidades do Estado mas também entre o povo.
    A especulação financeira, é feita com o nosso próprio dinheiro, com as nossas escolhas de poupanças e com as nossas próprias especulações de rendimentos ( quando se adquire uma casa a pagar em 30/40/50 anos, carros, electrodomésticos e ferias ) , o cidadão comum explora o próximo e é aniquilado com as próprias atitudes, deveríamos mudar a nossa visão e maneira de viver!
    Quando afirmo isto, não estou a apontar o dedo a ninguém, mas sim a alertar um problema global, somo induzidos a comprar coisas que não podemos simplesmente adquirir.
    Eu por mim estou disposto a comparticipar com alguma ajuda monetária, caso exista uma conta dirigida para ajudar o casal e se souber de alguma possibilidade de trabalho, entrarei em contacto.

    Ricardo

    ResponderEliminar
  2. Não assino por baixo sem deixar algumas notas.
    Estou deveras solidaria com historia do António e família, eu mesma passo por certas privações (nunca digo dificuldades) mas que temos mesmo assim que estar gratos pelo que pouco nos possa parecer.. Existem dramas que não vêm a publico de pessoas apanhadas no declínio de estatuto social e que têm vergonha de assumir o novo patamar.
    As notas que aqui deixo é por experiência própria e no sentido de ajudar o António a tomar as melhores e difíceis decisões que se avizinham.
    1. Só foram atribuídos 36 euros mensais na ajuda mensal, porque, quando fez o pedido ainda estava antecedido nos últimos 3 meses do subsidio! Ainda não os recebeu e foi pedido em Fevereiro! Vai receber o mais tardar no final deste mês de Maio e com retroactivos desde a aprovação do mesmo.
    2. A inscrição no CEI+ do IEFP vai demorar a ter resposta, pois infelizmente este é o município com o maior numero de desempregados.
    3. O facto de durante estes anos não ter qualquer apoio no âmbito escolar deve-se ao seu rendimento em subsidio de desemprego mais o da esposa. Não referiu se pertenceu a algum escalão de abono !
    Não sei que idade tem a filha do António, mas já alguns anos que os livros escolares do ensino 1º ciclo são gratuitos a todas as crianças das escolas deste Município, sendo que o ano passado (2013/2014) foi dada a oportunidade também pela Câmara, aos encarregados de educação pertencentes ao 3º e 4º escalão do abono de família, uma ajuda na compra dos manuais.
    4. Nas suas despesas mensais, devem constar apenas bens de 1ª necessidade e básicos de sobrevivência, aconselho que cancele o seu contrato de TV por cabo, por ter acesso a 4 canais nacionais (embora o único que aconselho ver é a RTP2) e já está a pagar a taxa audiovisual na conta da luz.
    5. Os 200 euros que recebe da acção social, esteja grato, porque quando o seu processo de RSI for aprovado, pode até vir a receber menos! (veja os cálculos na pagina da Seg Social Directa).
    6. Insolvência aconselhada!...pondere bem, reúna os factos e vai ver que se calhar é alternativa.
    Venda todos os tarecos que tem em casa, mesmo que fique só os colchoes e os electrodomésticos da cozinha, tente reunir o maior valor possível para arrendar casa, mesmo que pequena, vão começar do zero, mas vão sentir uma tranquilidade. A habitação Social, vai demorar, demorar,....
    7. Frequentar os cursos é muito bom como diz e muito bem, mantém o cérebro activo e também conhece outras pessoas (maioria tb desempregada), mas alarga os seus contactos e pode surgir uma oportunidade!

    Muita força para o António e família, não desistam.

    A persistência realiza o impossível - Proverbio Chinês

    Isabel Coutinho

    ResponderEliminar
  3. Boa tarde, Dr. Joaquim Jorge


    Já estive a ler o seu artigo de opinião que publicou e desde já fica o meu sincero agradecimento pela divulgação enquanto isso eu vou fazendo outras démarches no sentido de alertar os ministros, deputados, grupos parlamentares e presidente da República e DECO em relação à minha situação. Este problema foi comunicada à Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia e Junta de Freguesia de Santa Marinha em 2013 (PSD) e reformulada novamente em 2014 ao (PS) dando conhecimento para a minha situação muito crítica passado estes tempos continua tudo na mesma a Acção Social de ambas as entidades não funcionam e nada fizeram até hoje, muita teoria mas na prática zero. A Segurança Social através da Acção Social vai dando uns paliativos que para mim não me resolve nada em concreto a não ser atenuar a dor. Já solicitei uma habitação social (com carácter de urgência) em 2013 e 2014 dado que temos uma insolvência que aguarda na advogada a minha mudança de habitação para se avançar só que os responsáveis nada fazem em nos tentar ajudar.


    Cumprimentos

    António Almeida

    ResponderEliminar
  4. Caro JJ
    Infelizmente este é um dos muitos e tristes retratos deste desgraçado país.
    No estado de espírito em que hoje me encontro, o que posso dizer ao António Almeida, ou melhor..., desejar, é que Deus o ajude.

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar