29/04/2014

40 ANOS DEPOIS...

Hercília Oliveira 
As comemorações dos 40 anos do 25 de Abril, foram também motivo para comparações nunca dantes feitas. Nunca o antigo regime e o seu maior representante, Salazar, foram tão analisados e comparados.
E, o mais interessante é que se falou como nunca, de um modo respeitoso e por personagens que seria impensável que o fizessem.
Por tudo que me é dado saber sobre o antigo regime e vivenciando o actual, chego à seguinte conclusão:
A primeira república após a monarquia, deixou o país numa situação idêntica à que hoje temos: um caos. Esta situação é bem retratada no livro de Miguel Sousa Tavares, "Rio das Flores".
O anterior regime, Estado Novo, encontrou portanto o país numa lástima a vários níveis.
Durante os 40 anos que se seguiram, foi preciso tirar o país da situação difícil em que se encontrava. Construíram-se mais escolas, hospitais, estradas, pontes e barragens. Foram sendo criadas formas de auxilio a pessoas mais desfavorecidas, dando-se início ao Estado Previdência e ao subsídio de sobrevivência a viúvas que não tinham forma de criar os filhos por falta de poder monetário para isso.
Este subsídio foi depois alargado aos funcionários públicos por Marcelo Caetano.
Poderia aqui enumerar muitas outras mudanças, mas tornava-se cansativo.
Toda a situação económica e social, foi aos poucos evoluindo e o país saiu do caos em que se encontrava sem pedir ajuda externa, usando somente o dinheiro que o país gerava.

Chegou o 25 de Abril, e 40 ANOS DEPOIS:
Temos um país que foi levado ao caos três vezes;  por três vezes teve que estender a mão à "caridade", e com isso desgraçar pela terceira vez a vida da maioria dos portugueses sem que os causadores destes crimes sofram qualquer penalização.
Um dos motivos que alguns apresentam para rejeitar o antigo regime, é que não havia liberdade para falar.
Pois..., acredito que seja verdade e não era justo que acontecesse. Mas a maioria das pessoas não queria saber da política para nada nem sentia essa necessidade.
A reivindicação de falar e reclamar, era feita pelos que queriam o poder e por outras pessoas que acreditavam ( ingenuamente alguns) que o paraíso os esperava.
Hoje, falamos. reclamamos, insultamos, reivindicamos..., e como está o país!?
Falar e reclamar não tem efeito algum; o país está na" fossa" não saindo dela tão cedo e continuando a ser desgovernado por estes parasitas, dificilmente algum dia sairá.
Como diz o povo: " falar não enche barriga". E o povo tem sempre razão.

13 comentários:

  1. Fazer a apologia de uma ditadura em democracia é cobardia...

    Este texto escrito antes do 25 de Abril daria lugar a um cargo na PIDE ou serviços secretos.

    Não passa pela cabeça de ninguém querer voltar para trás. O que se deve é correr com esta gente corrupta e que dá uma má imagem da liberdade,democracia .

    O radicalismo é perverso e não resolve nada

    ResponderEliminar
  2. Como sempre, os armados em corajosos não assinam!
    Quanto a" correr com eles", é só sonho que se vai transformando cada vez mais em pesadelo.
    E o melhor é esperar sentado, ou melhor..., deitado...!

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar
  3. A D. Hercília fala do que não sabe: A senhora sabia se tivesse sido professora ou enfermeira nos tempos áureos do seu ídolo (por ex.) não podia casar? A senhora devia era ser homem, e ter ido prá guerra em nome do "Angola é Nossa" e vir estropiado ou vir para o cemitério e por aí fora. Como é brasileira não esteve cá para ver com olhos de ver. Se tivesse cá estado teria respeito pelos portugueses e portuguesas.

    ResponderEliminar
  4. Mais um anónimo "corajoso" que ainda por cima é demagogo!
    Conheço e conheci tantas professoras que hoje têm mais de oitenta anos, que foram e são casadas...!
    Depois mistura tudo: Guerra em Angola, como que tenha sido só Portugal que foi colonizador e mau. Como que a descolonização não tenha também beneficiado os países colonizados no seu desenvolvimento, Quanto aos militares vítimas dessas guerras, o Estado Democrático pós 25 de Abril, tem ignorado vergonhosamente esses grandes homens. Quanto aos mortos angolanos na guerra..., morreram muitos mais com a guerra feita pelos seus próprios "irmãos".
    Quanto à minha nacionalidade..., fez-me ,e só lhe digo que faltar ao respeito aos portugueses, andam os governantes portugueses a faze-lo há 40 anos...! Mas há quem não se aperceba....
    O antigo regime não era perfeito porque perfeição e em política, não existe. Mas o que temos tido durante estes 40 anos..., é vergonhoso!

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar
  5. Este espaço é livre e implica responsabilidade.

    O que a Hercilia escreve é.da sua inteira responsabilidade e Nso vincula o Clube , muito menos Joaquim Jorge.

    Aproveite e escreva um texto a falar das virtudes do comunismo.

    O clube é democrático, plural e transversal e nunca será por ditaduras de nenhuma espécie.

    ResponderEliminar
  6. Sr.a Hercília, eu entendo a sua opinião e ponto de vista económico e social, que tanto idealiza. Os seus pontos de referência para uma sociedade , baseiam-se em figuras políticas fortes e com mãos de ferro, que não se desviam dos seus objectivos por qualquer tentativa de pressão interna e externa, valores fortes como civismo, justiça e família deveriam ser os pilares da nossa sociedade.

    Quando numa opinião sua num artigo referiu um discurso de um político do antigo regime aonde indicava um hipotético modelo Suíço para implantar em Portugal, no meu ponto de vista seria muito vantajoso e talvez a única solução econômica para nós, visto não possuirmos riqueza de matéria prima como petróleo por exemplo, fala-se muitas vezes no mar e agricultura , mas não passa de uma falácia, para mim tirando certos produtos como vinho e calçado não possuímos a qualidade necessária para competir numa economia global, só o turismo muito bem estruturado aliado á gastronomia e um modelo bancário apetecido bem como indústria de investigação e alta tecnologia, poderíamos alcançar algo mais que um País remediado e com auxílio permanente dos amigos estrangeiros.
    No entanto, não se pode vangloriar um modelo de governação que era redutor e reduzia as pessoas a uma insignificância total, do ponto de vista individual e intelectual, as pessoas não queriam saber de política , simplesmente porque eram pobres e muitas analfabetas, com este tipo de sistema é muito fácil não haver pensamentos negativos ao regime, porque se não existe conhecimento e o partilhar de ideias entre as pessoas, dificilmente irá haver contestação!
    O 25 de Abril foi planeado pelos militares, indivíduos com conhecimento e experiências exteriores e não por um povo analfabeto e paralisado mentalmente.
    Conceitos como pensões ou subsídios de doença surgiram no meio da sociedade civil e não político, as empresas juntamente com os sindicatos de trabalhadores é que tomaram a iniciativa, mais tarde todos estes fundos foram anexados ao Estado de uma forma pouco correcta, mas isso é politiquices...

    Ricardo

    ResponderEliminar
  7. ANÓNIMO (A) esta é para si...se não perceber e ficar em dúvida é porque consegui ajuda-lo a ultrapassar um problema e desejo-lhe as melhoras.
    "AS PESSOAS INTELIGENTES ESTÃO CHEIAS DE DÚVIDAS E AS PESSOAS IDIOTAS ESTÃO CHEIAS DE CERTEZAS" - Charles Bukowsky

    Isabel Coutinho

    ResponderEliminar
  8. Vivi 32 anos sob o regime do Estado Novo. Tudo o que a Ercília escreve é verdade. Meu pai que na altura tinta 76 anos e viveu a primeira República dizia-me que era um caos. No dia 25 de Abril, ele viu-me contente e disse-me: «Meu filho estás contente, mas vais ver que a escumalha vai vir toda ao de cima. Os corruptos e os oportunistas vão aparecer às centenas, senão ao milhares. Vai ser uma ladroagem que tu nuca pensarias sonhar». Ri-me e disse para com os meus botões: «Coitado do velho,, isto já não é para ele. « Perdoa-me, pai, que eu não sabia que tinhas toda a razão. Realmente isto é um covil de ladrões.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o povo que tem sido conivente com os ladroes, e'cumplice da ladroagem. E para encobrir essa preguica em campos de Cidadania, os frustrados, apoiam uma figura que lhes facilitou essa mesma preguica, durante quase 50 anos. salazar, e' o simbolo dos inuteis da sociedade atual, porque representa a forna como eles gostam de estar em sociedade - alguem a governar, e eles, estagnados e mentalmente paralisados, veem TV e falam da vida que os outros deviam viver. Qual a sociedade, que precisa de gente assim, que nao 'se enxerga'?
      Pedro-Liverpool

      Eliminar
  9. Caro Ricardo
    Como já uma vez lhe disse, aprecio muito a sua forma de comentar educada e embora em algumas ocasiões não estando de acordo, respeitamos a opinião discordante de cada um; e assim é que considero viver a democracia em pleno.
    Então, estando de acordo com quase a totalidade do seu comentário, há porém uma parte em que penso de maneira diferente:
    Uma governação redutora que reduz as pessoas a uma insignificância total e feita de uma forma tão descarada e revoltante é esta que estamos vivendo! Pior que esta só a que o Brasil tem e da qual pouco a pouco nos aproximamos.
    As pessoas podiam ser analfabetas, mas eram mais patriotas, e tinham mais valores humanos que tornavam a sociedade mais justa. Havia mais respeito pelos outros e as pessoas tinham mais carácter.
    E como sabe todos estes valores, não têm nada a ver com cultura ou escolaridade.
    Temos hoje uma sociedade e governos cheios de doutores (alguns com diplomas "comprados"...) e no entanto, temos o que temos.
    E não tenhamos ilusões..., pois caminhamos a passos largos para uma classe de portugueses cada vez mais "pobre". As personagens que nos "enriqueciam" estão desaparecendo sem deixar quem os substitua.

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar
  10. Minha Senhora
    Não gosto de entrar em polémicas mas este assunto não me pode deixar indiferente.
    Faço parte daqueles que no início do 25 de Abril também andou em festa e acreditava que íamos para melhor. O ser humano nunca está satisfeito com o que tem e muitas vezes, em busca do que acredita ser o melhor parte a cabeça.
    Eu se pudesse voltar atrás no tempo não tinha a mínima dúvida no que escolhia.
    Parabéns pelo seu texto.

    Carlos Gonçalves

    ResponderEliminar
  11. Fachismo nunca mais.

    É lamentável um texto desta índole no Clube dos Pensadores que dá voz às pessoas mas isso não pode ser utilizado para falar de ditadura.

    Uma vergonha...

    Joaquim Jorge acho que deve ponderar a não publicação de textos deste género.

    A democracia e lutar por ela ... Agora em democracia tentar derrubá-la ou sr contra ela.

    Como muito bem JJ falou na nossa Cosntituição são proibibidos partidos fachistas até ver...

    O texto de Joaquim Jorge sobre o 25 de Abril é sublime e enriquecedor .

    Cumprimentos,

    MF

    ResponderEliminar
  12. Temos outro "meio anónimo" que a liberdade é só quando a ele diz respeito. Mas como este espaço é realmente livre e o JJ não se deixa intimidar, a liberdade neste caso funciona mesmo. Caso fosse o MF, já sabíamos o que acontecia!
    Quanto ao partido fascista..., pode estar descansado o MF, que ninguém lhe tira o lugar do seu, pois deve ser isso que o atormenta. Que eu saiba ninguém aqui está pensando nisso. Mas a liberdade devia ser isso mesmo, cada um ter a possibilidade de criar o partido que quisesse. A escolha de quem vota é que decidiria. Assim, acabam por ter a mesma atitude de que tanto criticam!

    Hercília Oliveira

    ResponderEliminar